Memórias Paroquiais

  • Aumentar o tamanho da fonte
  • Tamanho padrão da fonte
  • Diminuir tamanho da fonte
Início
Pesquisar
Um total de 206 resultado(s) encontrado(s).
Etiqueta: Memória Completa
  • Memórias Paroquiais (206)

Santa Maria Madalena, 1758, 6 de Abril

Memória Paroquial de Santa Maria Madalena, Comarca de Vila Viçosa

[ANTT, Memórias paroquiais, vol. 24, nº 179a, p. 1215 a 1220]

 

“Santa Maria Madalena

Monforte

/p. 1215/

Illustrissimo e Reverendissimo Senhór

Por ordem de Vossa Senhoria me foi entregue o papel de perguntas incluzo para que respondese o que delle soubese dar noticia: fazceme [sic] precizo declarar que como nesta Villa, e seu termo ha sinco digo oito freguezias curadas tres na Villa, e sinco no termo para cujos Parochos sei emanou a mesma Ordem, por ezitar a repetição de respostas as mesmas perguntas só responderei ao que souber da minha parochia em particular, elaborei alguãs noticias de toda esta Villa em geral.

Primeiramente esta Villa de Monforte está situada na Provincia de Alentejo distante do Reino de Castella tres legoas, sendo o lugar mais vezinho deste a Villa da Coudiceira que dista daqui tres legoas, e a Prassa de Albuquerque que dista sinco legoas.

Pertense esta Villa ao Bispado de Elvas de que dista quatro legoas. He Comarca de Villa Viçoza, de que dista quatro legoas.He da Serenissima Caza de Bargansa.

Está esta Villa situáda em hum alto com todas as entradas ingremes intensivé, porem naõ extensivé, he cercada de outros altos em pouca distansia que lhe excedem na altura; porem naõ saõ dignas de mensaõ, e só fazem com que esta Villa senaõ veja de longe distansia, e impedem que se vejaõ outras.

Tem esta Villa duas muralhas, que naõ fazem huã pella muita ruina que tem; huma dellas, que dizem se fes nestas ultimas guerras, ou nas da Aclamaçaõ, circumfére [sic] toda a Villa, porem entendo foi só feita para algum repáro, pois he de pedra e barro, e pouco larga, e está quazi toda em terra.

A outra//

 

/p. 1216/

A outra muralha circumfere o interior da Villa, e desta para dentro estárá a tersa parte dos moradores /esta muralha he antiga tem suas ameias, he de pedra e cal, fórte para aquelles tempos, para os prezentes nada: dizem que amandou fazer o Senhor Rei Dom Diniz, ou seu filho o Senhor Rei Dom Afonso, terá vara e meia da largura está o seu castello todo aruinado, e em partes a muralha, dizem que quem lhe fes uzar o castello, e em partes pedassos de muralha, fora o Senhor Dom Joaõ de Austria capitaõ General de El Rei de Espanha/ todas as parochias que estaõ situadas dentro desta Villa que saõ tres, Sancta Maria da Graça, Saõ Pedro, e Sancta Maria Magdalena, tem assua [sic] freguezia parte da muralha interior para dentro, e parte entre huã, e outra muralha, e ainda fora da muralha no termo algum montes; de sorte que esta Villa tomada por si toda se divide entres [sic] partes iguaes o terreno, e a cada parochia pertense assua [sic] parte; porem Sancta Maria da Graça alguã coiza excede, ainda que naõ he muita a defirensa.

Esta Villa tem termo grande pois terá des legoas de circumferensia, em cujo termo ha muitas herdades de paõ bolota e lande por cuja cauza he abundante de paõ e gados, e he o em que tractaõ os moradores desta Villa entra neste termo a linde das terras que o Senhor Rei Dom Afonso o Gordo deo aos Grans Mestres da Ordem de Avis. Esta linde hade entrar na tersa parte, ou qauzi do termo, e todos os dizimos della para fera pertensem as Comendas da Villa de Cabeço de Vide, e Veiros que saõ da Ordem de Avis.

Esta Villa tem Juis de Fora, e tem Cazas da Camera nobres.

O orágo//

 

/p. 1217/

O orágo da minha Igreja he Sancta Maria Magdalena he Igreja antiga pella sua arquitectura, he toda de abobeda, tem huã só nave, tem seis altares o primeiro he o altar mór aonde está o tabernaculo do Sanctissimo Sacramento e nelle estaõ collocadas as Images de Sancta Maria Magdalena da parte do Evangelho, e de Sancta Luzia da parte da Epistola; do Cruzeiro para baixo, junto a elle da parte do Evangelho esta o altar de Nossa Senhora do Rozario com assua [sic] Image, he Confraria; e logo mais abaixo junto a elle esta o altar da Arvore de Jessé [sic], aonde está tambem colocada em vulto a Senhora do Rozario, e nos ramos da Arvore estaõ em vulto colocadas as Imagens pertensentes a mesma Arvore, e famillia, pertense este altar á mesma Confraria de Nossa do Rozario; mais abajoxo da mesma parte do Evangelho está o altar de Saõ Brás, em que esta colocada assua [sic] Image, e a de Saõ Bento em vulto he tambem Confraria.

Da parte da Epistola junto ao Cruzeiro está colocada altar de Sancto Antonio, em que está assua [sic] Imagem em vulto, tem este altar Irmandade; mais abaixo da mesma parte esta o altar dedicado a Saõ Bertolomeu e he Capella, particular nelle está colocada em hum retabolo a Image de Saõ Ber[tolomeu] digo a Image de Nossa Senhora, porem naõ esta lá a Image de Saõ Bertolomeu.

Tem esta Igreja hum Prior e dois benefficiados simpleces [sic], e estes sem mais obrigaçaõ que a dedicarem missa nesta Igreja todos os Domingos, e dias festivos ou por si, ou por outrem /porem esta obrigaçaõ he sómente na rezaõ do lugar, e naõ da tensaõ da missa/ e tem hum Thezoureiro.

He esta//

 

/p. 1218/

He o Priorado desta Igreja da aprezentaçaõ dos Serinissimos Duques de Bargansa.

Os dois beneffici[ad]os simpleces [sic], e a Thezouraria saõ da aprezentaçaõ do Prior da Igreja como Donatário no uso do Padroado da Serenissima Caza.

A renda desta Igreja he a sexta parte de todos os dizimos desta Villa e seu termo /excepto das terras que asima digo pertensem as Comendas de Avis/deductis e expensis poderaõ ficar liquidos para o Prior: disse deductis expensis porque posto que a renda venha a dar conquinhos [sic] mil reis tem as pensois seguintes para os quais concorrem os Benefficiados com assua [sic] quarta parte, assim como ambos tem a quarta parte de todos os dizimos da Igreja.

Primeiramente tem esta Igreja vinte e quatro mil reis cada anno á Real Capella de Villa Viçoza doze por Saõ Joaõ doze por Natal.

Tem doze mil reis de fabrica para a Igreja em cada hum anno.

Tem oito alqueires de azeite para a lampada em cada hum anno.

Tem hum moio digo secenta alqueires de trigo para o Thezoureiro em cada hum anno.

Tem toda a Sera vinho, e hostia e roupa lavada emfim todos os gases da Igreja excepto concertos, e obras novas porque estas saõ á custa da fabrica tendera, e naõ atendo se fazem a custa do Prior, e Benefficiados /sendo precizo segundo as suas partes.

Tem esta freguezia trezentas e quarenta e duas pessoas, e cento e seis fogos.

Nesta terra//

 

/p. 1219/

Nesta terra ha huã feira que dura tres dias, he franca,e só paga terrado a Nossa Senhora da Conceicaõ Hermida citta no rocio desta Villa no districto de Sancta Maria da Graçaa feira se fás em Agosto dia de Saõ Bernardo, e nos dois seguintes.

Desta Villa se ve a cidade de Portalegre á parte do Norte na destansia de quatro legoas.

A parte do Sul entre Norte e Poente se ve a notavel Villa de Estremos na distancia de quatro legoas; e a Villa de Veiros na distansia de duas legoas.

A parte do Poente se ve a Villa de Souzél na distansia de sinco legoas; e a Villa de Fronteira na distansia de tres legoas.

A parte do Sul mais alguã coiza para a parte do Norte se ve a Villa de Barbacena na distansia de duas legoas.

Dista de Lisboa Capital do Reino vinte e sette legoas.

Naõ nasce nesta Villa, nem em seu termo rio algum nem por elle passa, e só alguas ribeiras chamadas a ribeira da Villa, ribeira de Léca, e ribeira de Algalé,que só correm emquanto chove,e conservaõ o nome emquanto naõ saem deste termo.

Naõ há Serra, nem monte nesta Villa, ou seu termo digno de memória.

Disse o que tudo certifico Monforte 6 de Abril de 1758.

O Prior Donatário, Nicolao Joaquim Ortigaõ [assinatura autógrafa]”

 

Transcrição: Ofélia Sequeira

Revisão: Ofélia Sequeira

 

Belver, 1758, Outubro, 06
Memória Paroquial da freguesia de Belver, comarca do Crato
[ANTT, Memórias Paroquiais, vol. 6, nº 86, pp. 621 a 635]


/p. 621/
N. 86
Rellação da Villa de Belver \C. Crato/1 sobre os interrogatorios seguintes
1. Fica a Villa de Belver na Provincia da Beira bayxa Priorado do Crato Comarca
do mesmo, e Provedoria de Tomar.
2. He do Serenissimo Sr. D. Pedro Infante de Portugal como gram Prior do Crato.
3. Tem a Villa em si sessenta e seis vizinhos, e junto com o termo duzentos, e trinta
e sete, e pessoas entre termo, e villa outo centos. e des.
4. Está situada no proclivo do Rio Tejo parte em planicie, e parte em ladeira della
se não descobre villa algũa e só se descobre hum cazal da outra parte do Tejo chamado
o Cadafás termo do Gavião, que dista meya legoa.
5. Tem seu termo, que terá de comprido legoa, e meya, e de largo em partes hũa
legoa com os seus lugares, ou Cazaes que por todos são treze chamados Alvisquer,
vizinhos doze, Area vizinhos oito e Alagoa vizinhos quartro (sic), Monte Fundeiro, e
Azinheira vizinhos doze; Marco Branco vizinhos seis; Outeiro vizinhos onze; Monte
alegre vizinhos quatro; Alfanzirão vizinhos tres, val de Pedro Dias


/p. 622/
Vizinhos cinco, Cravada vizinhos hum, Villar da mó vizinhos quinze, Val do Coelho
vizinhos nove, Furtado vizinhos quatorze, Domingos da Vinha vizinhos des Riaxa
Simeira vizinhos cinco, Riacha Fundeira vizinhos des, Torre Simeira vizinhos dezaseis,
Portella vizinhos sete Torre Fundeira vizinhos des. tem hua freguezia no Alemtejo que
1Adição ao texto feita por uma “segunda mão” que não a do autor da memória paroquial.
dista tres legoas, que tem Parocho collado, e he sugeita só a Justissa Secular desta Villa
chamada a freguezia da Comenda.
6. A parochia esta dentro da Villa, e no meyo della.
7. O Seu orágo he nossa Senhora da Vizitação da Senhora pintada, com sua tribuna
de obra compozita; outro da Senhora do Rozario, outro das Almas, e o Sr. Jezus, tem
tres naves com suas colunas bem feitas tem tres Confrarias, a do Santissimo
Sacramento; a da Senhora do Rozario, e a do Senhor Jezus; tem hua Irmandade das
Almas com seu compromisso aprovádo pelo ordinario.
8. O Parocho he vigario, que o he tambem da Vara com seu distrito, hé colládo, he
a data do Serenissimo Sr. D. Pedro Infante de Portugal com gran Prior. tem de renda
cem alqueires de Trigo, quarenta de senteo vinte seis almudes de vinho a bica 34302 reis
em dinheiro; porem por esses 4303 hé obrigado a dizer as missas das quartas, e sestas
feiras da quaresma tem mais tres alqueires de azeite


/p. 623/
9. Tem só hum coadjutor colládo a data do mesmo Serenissimo Sr. Infante tem de
renda cem alqueires de trigo, quarenta de senteyo 4000 reis em dinheiro.
10. Não tem Convento algum.
11. Não tem Hospital.
12. Tem caza de Mizericordia, a qual fundou hum devoto o Cappelão João Pires tem
tão pouca renda, que mal lhe chega para os gastos, tem seu comprimisso approvádo pelo
Soberano com 724 Irmãos sem haver difirença.
13. Tem varias Ermidas que por todas são .9.5 a saber o Espirito Santo, que esta
dentro da Villa S. Sebastião, S. Miguel a Senhora do Pilar, estas tres estão no suburbio
desta Villa, e a Senhora do Pilar he Seu Padroeiro, e pertence aos herdeiros do Vigario
Antonio Alvares Heytor desta Villa que a fundou, tem mais S. Pedro, que está no monte
Fundeiro S. João Evanjelista no Villar da Mó Santa Maria Madalena nos limites da
Riacha Fundeira nossa Senhora das sete fontes nos limites da Torre fundeira tudo deste
termo estão fora dos Cazaes; porem pouca distancia. A Igreija de S. Brás dentro do
Castello com o Santuario de Reliquias aonde estão S. Brás, S. Amaro, e Santa Luzia. O
2Numeração sublinhada pelo autor.
3Numeração sublinhada pelo autor.
4Numeração sublinhada pelo autor.
5Numeração sublinhada pelo autor.
Altar está bem emtalhádo obra antiga, mas grave, porque está o tál Santuario composto
de varios Santos de meyos corpos, braços, e custodias


/p. 624/
Tudo feito com a mayor perfeição as Riliquias são muitas e algũas dellas
preciozissimas; porque são tres de S. Brás que he o bago, pedra do anel, e hum osso
inteiro do dedo index, Santo Lenho parte da Cruz de Caravaca, osso de S. Sebastião,
unica e singularissima o alabastro, ou vazo em que a Madalena levou os aromas que
derramou aos pés de Christo em caza de Simão Leprozo, e se houver duvida nesta
Riliquia haja quem diga aonde está, o osso da Cabeça de Santo Albino, Riliquia de S.
Joze, de S. João Baptista; de Santo Estevão da Capa de S. Domingos carne de Santo
Antão Riliquia de Santa Margarida peixe da menza do Senhor pedra aonde a Senhora
repouzou no Caminho do Egipto, pedra do Templo do Senhor esta he da grandeza de
hũa nós, e côr cederina escura Reliquia do Santo Sudario, Reliquia dos Santos
Ignocentes, Terra do Sepulchro do Santo Lazaro e Reliquias do Calvario, do Sepulchro,
e do Prezepio, e outras muitas Reliquias, que por dicurso do tempo se ignorão de quem
são estas Reliquias não tem autentica mais do que a tradição, e protentos, e milagres,
que obrão. Quem fosse o Fundador da Igreija, e quem nella depozitasse as Requias (sic)
não consta, ainda que nisto há


/p. 625/
Varias oppiniões; porem a mais segura, e conforme a razão he que as depozitou na dita
Igreija hum Principe Frances chamádo D. Gualdin Paes de Maruecos, que foi Maltes;
ainda que outros dizem Templario; porem lidas as Historias se encontra a ser
Templario; porque no testamento de El Rey D. Sancho o primeiro de glorioza memoria
no anno de mil duzentos e dés se acha, que o dito Rey deixou varios legádos, e para a
sua satisfação deixou quinhentos e tres mil, e tantos maravedis de ouro sessenta mil e
quatro centos marcos de prata, os quais ficavão na Freiria de Evora no Castelo de
Tomar, que era do mestre e freires do Templo, e do Castelo de Belver, que era do Prior
do Hospital de Hieruzalem, e em [ou]tras partes mais; e se nesse tempo não fosse ja de
Malta se não declararia, nem os bens dos Templarios passarão aos Maltezes, mas sim a
ordem de Christo.
Estas Santas Reliquias estiverão postas nos peitos dos Santos que se achão no Santuario,
braços, e Custodias; porem há tradição, que vindo hum Maltes vizitar as levara para
Lisboa; e que querendo lá mostrallas as não achou, e que vierão pelo rio Tejo assima,
em hum barquinho com luzes, e muzicas celestes parárão defronte do mesmo Castello, e
querendo varias


/p. 626/
Pessoas chegar a ellas o não conseguirão, e publicado o pretento nesta Villa foi Parocho
com o Clero, e Povo em prossição chegando a praya se veyo a meter o tal barquinhonas
mãos do Parocho com as Santas Reliquias dentro que com a mesma prossição a
depozitarão nesta Matris; passados annos as depozitarão na Igreija de S. Bras em hum
almario que se fes na parede; porem hoje se achão metidas no mesmo altarem hum com
o Sacrario dentro de hum cofre de rico páo emgastado por diante em prata forrado de
seda encarnada o qual mandou o Serenissimo Senhor Infante D. Francisco na sua
minoridade pelo seu lugar Tenente o Balio Fr. Duarte de Almeida. Esta tradição do
barquinho hé certa e verdadeira; porque ainda hoje há algũas pessoas velhicimas que a
conhecerão, ou parte delle: tembem (sic) ha memoria, que havia mais Reliquias, como
erão cabellos de nossa Senhora leite da mesma e cabellos da Madalena; porem esta ja
não exista por incuria dos Parachos meus antessessores as Reliquias, que hoje existem
se achão metidas em caixinhas forradas, e cubertas de seda, e lacradas para mayor
sigurança; a do Santo Lenho, pedra


/p. 627/
Do anel de S. Bras; osso do mesmo santoestão metidas em hum cofre de marfim com
sua fixadura de prata, e as de mayor grandeza estão per sim, mas tudo dentro do cofre,
que mandou o dito Senhor Infante. A nem hũa destas Igreijas, ou Ermidas ha Romagẽs
notorias mais, que no seu dia, ainda que vem alguns Romajeiros ás Santas Reliquias,
mas com mais frequencia em dia S. Brás, Santa Cruz de Mayo, e Santa Cruz de
Setembro, que são os dias em que se mostrão as Santas Reliquias.
14. Fica respondido.
15. Os frutos desta Villa que se recolhem com mais abundancia, he azeite, que he
singular, vinhos poucos, mas singuralissimos (sic), que há caza, que tem vinho que
passa de cem annos.
16. Tem Camera com dous Juizes ordinarios, tres vereadores, hum procurador,
Escrivão da Camera, que o he de todos os officios, Alcayde, e Porteiro: tem duas
Companhias de ordenança com Cappitães, e mais officiaes subalternos, Cappitam mór,
Sargento mór, e hum Ajudante, ainda que de prezente se não acha mais


/p. 628/
Que o Cappitam e Ajudante, e tudo o mais esta vago.
17. Não he couto, cabeça de concelho, honra, Behetría; porque como ja se disse he
da correiçãodo Crato, e sujeita ás Justissas, que a gorvernão (sic).
18. Não há memoria de sujeito algum que florecese em virtudes, letras, ou armas,
ainda que tem havido sujeitos grandes em letras, mas não passão do comum.
19. Não tem feira algũa,
20. Nao tem Correyo, serve-se do de Abrantes, que dista quatro legoas.
21. Dista da Villa do Crato Capital seis legoas, e da Capital de Lisboa vinte e outo.
22. Não se sabe que haja privilegios, ou antiguidades, ainda que ha tradição que os
tem grandes por por respeito do Castello, e que se achão na Torre do Tombo, e no
archivo da torre de Moncorvo.
23. Não há na terra nem em seu


/p. 629/
Termo fonte, ou lagoa com especialidade.
24. Nao hé porto do mar.
25. A villa não murada tem hum Castello distante o tiro de hum mosquete em
hum monte levantado e separádo dentro do quál está a Igreija de S. Brás, e as Santas
Reliquias de prezente muito aruinádo obra coma (sic) já se disse no item 13.6 de D.
Gualdim Paés de Marruécos ainda que muitos dizem hé obra do Conde D. Nuno
6Numeração sublinhada pelo autor.
Alvares Pereira, o que não póde ser porque se encontrão com a verdade das Histórias
antigas.
26. A torre de homenagem do dito Castello no o terremoto de 17557 padeceo hũa
grande ruina que ainda se acha por reparar.
27. Ha no termo desta Villa no sitio da Ribeira de Canas huá cova chamada lapa de
Monis com boa entrada; porem vay-se estreitando para dentro, e não ha memoria, que
alguem lhe chegá-se ao fim por cauza do grande escuro, e receyo de bichos, que se
prezume habitarem dentro, há porem tradição que fazendo-se lhe huá grande fugueira á
porta fora sahir fumo perto


/p. 630/
De huá legoa para o nascente; há tambem defronte da mesma cóva para o norte hum
algarão que estando em lugar alto e lhaneca sempre esta cheyo de agoa clara, e
excellente, e della bebem os caçadores, pastores, e mais gente que por ali passa e
lancando lhe hũa pedra se houve como que desce por hũa escada por largo tempo.
Rellação sobre a serra.
1 – 2 – 3 – 4 – 5 – 6 – Nada.
7. Ainda que não há serra digna de memoria, há porem muitos outeirose em alguns
delles se açha ouro por sima da terra principalmente ás primeiras agoas do Outono e no
Cazal do Outeiro termo desta Villa há hum grande mineral de ouro, e na Camera desta
Villa se açha hũa provisão régia registrada para Rodrigo Brancão Olandes de nação
poder abrir as taes minas; porem the o prezente não teve effeito.
8. Não há plantas, nem ervas medicinaes neste termo de que haja noticia ainda que
o vulgo em algũas descobre virtude para ás suas necessidades.
9. Não há Mosteiros, Igreijas, ou Imgens (sic) milagrozas.


/p. 631/
10. O temperamento do país hé temperado e salutifero.
7Numeração sublinhada pelo autor.
11. Há poucas criações de gádos, muito lobo, e ainda dos sorvais8, gátos
montezes, Texugos, e certos animalejos chamados tourães inimigos capitaes de
galinhas; a caça são alguns coelhos muitas perdizes, e poucas lebres.
12 – 13 – Nada.
Rellação sobre os rios.
1. O rio que passa junto a esta villa hé o Tejo dizem nasce nas mançhas de Aragão.
2. Nao se sabe se nasce, ou não caudolozo corre todo o anno.
3. No districto desta Villa no rio Tejo entrão tres ribeiras, que correm todo o anno
hũa chamada a de canas, que se mete no Tejo junto do caaxão de canas outra a da
Riaçha, que se mete detras do castello por sima do Namal, outra a de eiras, e he a mayor
e se mete no Tejo no sitio chamado o carreiro.
4. He navegavel em todo o tempo as embarcações de que hé capax neste sitio sao:
Batéos, Batelões, Bateiras e Muletas.
5. Em todo o termo desta Villa hé o mais


/p. 632/
Arrebatado que tem todo o rio, e será distancia de legoa e meya.
6. Corre do nascente a poente. [[…]]9
7. Neste districto se criam varias especies de peixes: a saber, pordalos, bogas,
barbos, que os há tão grandes, que passão de arroba alguns, e desta especie há a mayor
abundancia, cria sermões, heiróes, eTencas, e alguns chixárros.
[[8.]] Há nelle grandes pescarias de saveis, lampreas, Tainhas, e Sabogas; porem todos
estes peyxes se pescão no tempo da Primavera quando aribão, e só as Tahinhas; ainda
que se pesquem todo o anno dessem ao mar a dezovar.
9. As pescarias com reydes de varrer são livres para quem quer pescar, como
tambem com covãos, e enzoladas, porem ha certas pesqueiras, hũas feitas por arte e
outras pela natureza as quais são de particulares, e o que rendem he para seus donos;
porem pagão hum tenue foro cada hũa ao Serenissimo Senhor Infante Gram Prior, e só
dos saveis se pagão Dizimos, e o mesmo Senhor no seu
8Reporta-se a “cerval”, ou lince-ibérico.
9Duas palavras riscadas pelo autor.


/p. 633/
Priorado tem o direito das agoas; de sorte que ainda para os engenhos em ribeiras
menores para se tirar agoa lhe pagão foro.
10. [[décimo]] As margens do rio neste districto são infructiferas, por todas serem area,
e pedras, e só em alguns cantos ficão huns pequenos nateiros, que de verão se semeão
de feijões; das margẽs para fora nas ladeiras tem muito arvoredo de oliveiras, e varios
matos sylvestres.
11. A vertude particular das suas agoas deste districto he criarem ouro, e em certos
tempos principalmente na canicula são medicinaes os seus banhos.
12. Concerva sempre o mesmo nome.
13. Morre no mar junto a Belem na praya de Lisboa.
14. No districto desta Villa tem varias caxoeiras assim no grande comono pequeno;
porque no grande tem a boca de Leão agoas da Temeroza e Bombaes; e no pequeno, e
ainda medianno tem o caxão de Cabril pedra da Trevossa, corrente da Negra; caxão de
canas; corrente de Alboiginha; e caneiro, porem o peyor de todos


/p. 634/
Hé o caxão de canas por lhe succederem as brulhas da Caldeira, Pero olival, e
Paparoinha; mas sempre hé navegavel e o mais, ou menos perigo; não tem repreza,
levada, ou asude, que lhe embarassem a navegação.
15. O Tejo não tem ponte algũa neste districto, mas as tres ribeiras assima nomeadas
cada hũa tem sua ponte de pedra, a de Eiras na estrada que vay do Mação para á beira, a
de canas na estrada que desta Villa para o Outeiro, a da Riacha na estrada que vay desta
Villa para o Mação, e logo junto a esta Villa.
16. Ainda que no districto desta Villa havia alguas azenhas hoje se achão demolidas
por ordem do Soberano: nas tres ribeiras assima nomeadas há varios lagares de azeite, e
moinhos, que moem a mayor parte do anno.
17. Em todo o tempo nos mezes do verão no districto desta Villa se tira ouro das
areas do Tejo, e na ribeirade canas, porem são certos homens


/p. 635/
, que çhamâmos gandaeiros, que das partes de Arganil; que os naturaes o não
sabem tirar.
[[18.]] Os Povos uzão livremente das agoas para a cultura dos campos se a podem tirar.
19. Nada.
20. Nada.
E não ha mais couza algua que possa dizer, mas o que vay dito he a mesma verdade de
que mandei escrever a prezente que asignei.
Belver 6. de outubro10 de 175911.
O vigário Fr. Manuel Lourenço Dourado


Transcrição: Leonor Dias Garcia


10Palavra sublinhada pelo autor.

11Os dois últimos parágrafos são autógrafos. O restante texto das memórias paroquiais de Belver é de
outro autor.

Cabeço de Vide, 1758
Memória Paroquial da freguesia de Cabeço de Vide, comarca de Avis
[ANTT, Memórias Paroquiais, vol. 8, nº 14, pp. 83 a 88]


/p. 83/
C. Avis N. 14 C. D.
Cabeço de Vide
[…]aia
Campo maior
[…] Domingos.
Resposta do que se procura saber desta Vila de Cabbeço de Vide, segundo a noticia, que
se pode alcançar.
Esta vila de Cabbeço de Vide fica na provincia do Alentejo, he Bispado de
Elvas, comarca de Aviz.
He do mestrado de Aviz e de El Rey nosso Senhor como gram Mestre.
Tem esta vila em si trezentos e quinze vizinhos, e pessoas pouco mais ou menos
= outo centas e noventa e duas.
Está situada em hum monte e dela se descobrem as Povoaçoens seguintes a vila
de Fronteyra, que dista hũa legoa. A vila de Veyros, que dista trez legoas. A notavel vila
de Estremos, que dista sinco legoas. A vila de Evora Monte que dista seis legoas. A vila
de Souzel, que dista trez legoas. A vila de Arrayolos, que dista outo legoas. A vila da
Figueira, que dista trez legoas. A vila de Aviz, que dista sinco legoas. A vila de Alter
Pedrozo, que dista hũa legoa. A cidade de Portalegre, que dista quatro legoas.
Tem termo seu, que comprehende algũas ortas, asenhas, erdades, e montes, e
consta a extencão do ditto termo de noventa e trez vizinhos, e Pessoas duzentas e
outenta, sem que nela haja aldeya algũa.
A Parochia está dentro da vila e não tem mais lugares, que a mesma vila, e o
referido termo.
O Orago da Parochia he a Senhora d’Anunciação. Tem seis altares, e são os
seguintes: O altar mor, que he de Nossa Senhora da Purificação, ou das Candeyas, como
lhe chama o Povo, O altar de S. Antonio. O altar do Menino Jesus. O altar da Senhora
do Rozario. O altar do Santissimo Sacramento. O altar da Senhora da Conceição. Tem a
ditta Igreja só hũa nave. E tem seis Irmandades, que são as seguintes. A Irmandade da
Senhora das Candeyas. A Irmandade de Santo Antonio. A Irmandade da Senhora do
Rozario. A Irmandade das almas. A Irmandade do Santissimo Sacramento. A
/p. 84/
das chagas de Christo.
O Parocho da ditta Igreja he Prior, que O aprezenta Sua Magestade, como gram
Mestre da ordem de S. Bento de Aviz e tem de renda trez moyos de trigo, e dois de
sevada, e vinte mil reis em dinheyro, tudo pago pela comenda desta vila excepto o Prior
actual que, por estar em futura successão, tem de congrua sómente hum moyo de trigo,
dois de sevada, e seis mil e seis centos, e sesenta e seis reis em dinheyro.
Tem trez Beneficiados curados, que tambem aprezenta Sua Magestade, como
gram Mestre da ordem milittar de S. Bento de Aviz e tem de renda cada hum dois
moyos de trigo, moyo meyo de sevada, dez mil reis em dinheyro.
Não tem esta vila conventos alguns.
Tem Hospital, que administra o Provedor da Mizericordia, e Irmãos da Meza, e
tem de renda trezentos e sincoenta mil reis.
Tambem tem caza de Mizericordia, que teve a sua origem de hũas cazas, que
comprou a Mezaa hum João Rodrigues Moreyra, depois de se anexar ao Hospital por
ordem do Senhor Rey D. Sabbastião no ano de mil e quinhentos e setenta e quatro, e
deste ano para diante tem existido anexa a Mizericordia ao Hospital, e ambos juntos he
que fazem a referida renda de trezentos e sincoenta mil reis, pouco mais ou menos,
conforme os preços, por que se vendem os frutos. Antes da dita anexação não havia
caza de Mizericordia, mas havia hũa cappela na Igreja matriz, a que chamavão
Mizericordia governada por hum Juiz, e hum Thezoureyro e o primeyro, que lhes
deixou algũas fazendas, e rendimentos foi hum homem, que por alcunha se chama o Po
de Pratto e não há memorias de qual fosse o seu nome, por se não achar titulo, nem
testamento do tal instituidor não mais que a memoria da dita alcunha.
Há nesta vila outro
/p. 85/
Hospital com sua Igreja anexa chamada do Spirito Santo, no qual se curão
alguns emfermos, e tem de renda pouco mais ou menos setenta mil reis: este he
administrado por hũa confraria que consta de doze Irmãos, e são izentos o referido
Hospital, Igreja, e Confraria da jurisdição das ordens militares, da jurisdição ordinaria, e
real, disse que por privilegios, e estençoens Pontificias que tem, por cujo motivo nenhũa
jurisdição lhe toma contasHa agregada a esta Igreja tres Irmandades que são a da
Senhora das Neves, a de S. Thiago, a de Santo Antonio dos Tendeyros, que não obstante
serem seculares e leigas logrão os mesmos privilegios ja expressados: e a renda do dito
Hospital se lhe originou de varias deixaçõens, e legados, que os Devotos lhe tem
deixado.
Tem esta vila as ermidas seguintes. A do Martir S. Sabbastião, a Senhora dos
Anjos. A de S. Ana. A do Calvario, as quais todas estão fora da vila e pertencem a
ordem de Aviz, como filliais da Matriz: e não acodem a elas romagens.
Os frutos da terra, que recolhem os moradores com mayor abundancia são trigos,
e azeite, e frutas de muntas ortas que tem.
Tem Juiz de fora, e Camera, que governão, e não estão sugeitos ao governo de
outras justiças.
Em dia da festa do Spirito Santo ha hũa feira, a qual he franca, e dura só hum
dia.
Não tem correyo esta vila, mas servesse do correyo da vila de Estremos, que
dista sinco legoas e para desta villa de Estremos se conduzirem as cartas, e levar as
respostas tem hum estafeta accelariado, a quem paga o povo, e o concelho, o qual chega
na quinta feira de tarde, e parte na sexta pellas dez horas desta villa de Cabbeço de
Vide.
/p. 86/
Dista esta vila a Cidade Capital do Bispado seis Legoas grandes, e a Lisboa
Cappital do Reyno dista vinte e sette Legoas.
Tem esta vila hum grande e espasozo Roxio e pela sua extinção e bem
propricionado dele, he dos mais singullares, que se emcontrão nesta provincia.
Ha nesta vila hum castelo que he do Alcayde mór e comendadordesta vila, a qual
se acha bastantemente aruinado: porem esta terra não he murada, sendo que ainda se
divizão alguns vestigios, ou fraguementos de muros, que teve.
No terremoto de ano de 17551 ouve algũa ruina, como foi a ermida da Senhora
dos Anjos, e os arcos do corpo da Igreja matriz os quais arcos, a ermida estão
amiassando perigo de cahirem, e ainda nada esta reparado.
Não he esta terra couto cabbeça de concelho honra ou Behetria. Nem ha
memorias que dela florecessem, ou sahissem homens insignes por virtudes, letras ou
armas. Nem tem privilegios, antiguidades, nem couza digna de memoria, que conste.
Nem há nesta vila, nem no seu districto fonte, nem alagoa cellebre, nem agoas de
especial qualidade. Nem he porto de mar.
Não tem esta vila no seu districto serra, nem couza que a este respeito se possa
noticiar.
Rio
Esta vila não tem no seu districto rio algum com a denominação de Rio mas sim
duas Ribeyras que se chama a hũa mais proxima a vila a Ribeira da vide e a outra mais
remotta, se chama a Ribeyra do Vidigão: e ambas nascem no mesmo districto desta vila.
Nascem estas Ribeiras com o curso quieto, e correm todo o ano.
/p. 87/
Nas mesmas ribeiras não entrão outras, nem são navegaveis e são de curso
quieto em toda a sua distancia e correm do nascente ao poente. Crião alguns peixes
principalmente Bordalos, e Pardelhas, os quais se podem pescar em todo o ano, excepto
nos trez mezes prohibidos, mas a tal pescaria só se consente a cana, e não com redes,
isto he no sitio, que determina a Camera que he de Ponte a Ponte, e na mais extenção
das Ribeyras são as suas pescarias livres para quem quer pescar.
As margens das dittas Ribeiras são cultivadas, e nelas há muntas ortas com
abundancia de ortaliças, e grande copia de arvoredo, que dão muntas fruttas.
1Palavra sublinhada pelo autor.
Não tem virtude particular as suas agoas, e sempre conservão o mesmo nome, e
não ha memorias, que tivessem outro nome.
Estas tais Ribeyras morrem de verão no mesmo termo, e de inverno morrem na
Ribeyra de Fronteyra na distancia de hũa legoa.
Tem as dittas ribeyras, a mais proxima a vila duas pontes de pedra no lugar, em
que mais se aproximão a vila. Tem as mesmas ribeiras treze engenhos, em que se móe
farinha, a que chamão asenhas, e quatro lagares, em que se faz azeite, e hum Pizao dos
panos.
Não consta se tirasse ouro das suas areas. E o povo uza das suas agoas por
distribuição, que lhe faz a justica de verão, dando a cada huns suas oras de agoa para
regarem as hórtas, e pumares, conforme pode caber a cada hum.
Tem as referidas ribeiras hũa legoa de extenção, e nascem dentro do mesmo
termo, e nele acabão, sem que passem
/p. 88/
por Povoaçoens algũas.
Não me consta mais couza algua, que possa responder aos interrogatorios, de
que se me procurão.

E me assignei.
O Prior de Cabbeço de Vide
Fr. Diogo Gil de Velles


Transcrição: Leonor Dias Garcia

Nossa Senhora da Conceição, 1758, 14 de Maio

Memória Paroquial de Nossa Senhora da Conceição, Comarca deCampo de Ourique

[ANTT, Memórias paroquiais, vol. 11, nº 367, p. 2517 a 2520]

 

“Nossa Senhora da Conceição

Ourique

/p. 2517/

Freguezia de Nossa Senhora da Conceyção termo de Messejana pertense a vigararia de Ourique.

Esta freguezia de que sou Parocho,cujo Orago hé Nossa Senhora da Concepçãofica na Provincia de Alentejo, no Arcebispado de Évora, na Comarca, do Campo de Ourique hé termo da Villa de Mesejana e anexa a sua Matris:He de El Rey e sempre o foi;

Tem esta minha freguezia sento e sinco vezinhos, e pessoas obrigadas ao preceito da confissão, e comunham trezentos e sincoenta e seis.

Tem hum lugar junto a Igreja da Freguezia chamada Aldeya dos Barregoins, cuja Aldeya está cituada em hum monte pequeno da onde senão descobre povoação alguma.

He termo da Villa de Mesejanna, como ja dice, há duas Aldeyas na freguezia huma chamada dos Barregoins como ja dice, e outra chamada das Alcarias, as dos Barregoins tem quarenta e dois vezinhos, a das Alcarias tem vinte e outo vezinhos, a Parochia está fora da Aldeya duzentos e sincoenta pássos pouco mais ou menos,o Orágo da Parochia como ja dice he Nossa Senhora da Concepção;

Tem quatro Altáres hum que hé o principal hé de Nossa Senhora da Concepção dois coletrais, hum de Nossa Senhora do Rozario outro do Senhor Sam João Baptista, e outro de Nossa Senhora do Monte do Carmo a qual so tem Irmandade.

O Parocho he cura aprezentado pello Tribunal da Menza da Consciencia e Ordens, tem de remda dous mil moyos e meyo de trigo e moyo e meyo de sevada pago pellos freguezes fora o pe do Altar que não he de rendimento serto//

/p. 2518/

Nam tem Beneficiadosnem há Convento algum de Religiozos ou de Religiozas,na dita freguezia nem tem Irmida alguma;Algumas Romajens há a mesma Imagem de Nosa Senhora da Conceição que he o orago especialmente no tempo do Verão.

Os frutos que os moradores da dita freguezia recolhem com mais abundancia hé trigo e sevada.

Está sugeita esta freguezia e os moradores della ao governo da justisa da Villa de Mesejanna.

Não he coito cabeça do Concelho Honrra nem Behetria.

Não há memoria que della sahissem alguns homens insignes em vertudes, letras ou armas.

Tem huma feira na terceira Dominga do mes de Julho chamada feira do Carmo por se festejar a dita Senhora dura na vespora do meyo em diante, athe a outro dia a tarde he captiva.

Não tem correio e só se serve do da Villa de Mesejanna, que dis [ta] huma legoa.

Dista a dita freguezia da cidade capital do Arcebispado que he Evora dezaseis legoas, e da Corte de Lisboa Capital do Reino vinte e quatro.

Não consta ser a dita freguezia previllegios alguns antiguidades, outras couzas dignas de memoria.//

/p. 2519/

Ha em pouca distancia da dita Aldeya dos Barregoins huma fonte chamada de Nosa Senhora da Conceição cuja ágoa he milagroza.

Não padeceo esta freguezia pella bondade de Deos ruina alguma pello Terremoto do anno de mil setesentos e sincoenta e sinco.

Não tem sérra,nem rionem outra couza alguma digna de memoria, que se possa dizer de mais de que está dito Conceição 14 de Mayo de 1758.

Parocho Jozé Ferreyra [assinatura autógrafa]”

Transcrição: Ofélia Sequeira

 

 

Crato, 1758

Memória Paroquial da freguesia de Crato

[ANTT, Memórias Paroquiais, vol. 12, nº 459, pp. 3201 a 3227]

 

/p. 3201/

Nº 95 459 Crato – C

Alentejo

Senhor

Foi vossa Magestade servido ordenarme pello Reverendissimo Provizor do Crato

que com toda a individuação, e clareza desse resposta as preguntas do papel incluzo, em

observancia do que fez as diligencias que me foram posiveis, e o que encontrei nos

pontos declarados foy o que ponho na Real presenca de Vossa Magestade respondendo

a cada hũa das preguntas pello que pertence a minha freguezia desta villa do Crato.

Em que provincia fica a que Bispado e Comarca termo e freguezia pertence

A Villa do Crato, que antiguamente foy Cidade com o nome de Crataleucas, e

depois Crataleuca he tão antigua que se ignora o tempo de sua fundação, tem por gloria

ser hũa das primeiras provoaçoins de Hespanha que abraçou o nome de Christo, e deu

cultos ao verbo humanado, no primeiro Concilio que ouve nas Hespanhas que foy o de

Elvira Cidade do Reyno de Granada a que se dá o nome de Concilio Ilibiritano assestio

o seu Bispo chamado Secundino no anno do nascimento de Christo de trezentos, e

sinco, e se assignou nelle com o nome de Bispo da Cidade de Crataleuca.

Fica esta Villa na Provincia do Alentejo dista deste Rio pella parte do Norte

sinco legoas: não pertense /p. 3202/ a Bispado algum por ser nulius diocesis como

cabeca do Grão Priorado do seu nome: Este Priorado deu o primeiro Rey D. Affonso

Henrriques a religião de Malta pouco depois que foi aclamado Rey no Campo de

Ourique, pois sendo esta aclamação milagroza em vinte e sinco de Julho de mil sento e

trinta, e nove ja no anno de mil sento, e sincoenta e sete havia Grão Prior que foy

D’Ayres a quem os antigos não deram mais nome.

Nomea o Grão Prior para o governo spiritual, e temporal todas as justissas

assistem ao governo Civel hum Ouvidor hum Juis de fora tres veriadores hum

Procurador Escrivão da Camera, tres Tabaliãns, hum Enqueredor Contador, e

Distribuidor hum Alcaide hum Escrivão da Correição e hum Meirinho: Há mais um Juis

dos Orfãons com hum Escrivão: Hum Almoxarife e Juis dos direitos Riais para as

Couzas que pertencem a fazenda do Grão Prior tem Escrivão, Meirinho, e sinco

Couteiros para guardar as defezas izentas da jurisdição dos Ministros da terra e

Comarca e so são sujeitos ao Grão Prior a sua Menza Prioral, e ouvidor da fazenda por

previlegio concedido ao Infante D. Fernando, estatutos da ordem, hoje confirmados pelo

Serenissimo Senhor Infante Grão Prior.

Tem esta villa por armas huma crux branca de oito pontas, deulhe foral o Rey D.

Manoel em quinze de Novembro de mil e quinhentos e doze, goza de voto em Cortes, e

tem assento no banco doze toda a villa se compoem de duas freguezias hũa dentro do

recinto de seus muros que he a Parochia com a invocação de nossa Senhora da

Conceipção e no arebalde outra com a invocação de nossa Senhora de Flor de Roza.

/[p. 3203/

Se he do Rey ou Domnatario e quem o he ao presente

He da Ordem de S. João do Hospital que tem nella hum Grão Prior com

jurisdição spiritual e temporal, e de presente he o Serenissimo Senhor Infante D. Pedro

filho do Augostissimo, e fidilissimo Rey D. João o quinto de felix recordação sendo elle

o trigessimo quinto Grão Prior deste priorado segundo a ordem mais certa entre os que

tem scripto este Catalogo, quais lhe precederão pomos aqui para recordação do nosso

agradecimento e gloria da nossa patria.

D. Ayres. (não devemos aos antigos mais clareza do seu nome)

D. Fr. Mem Gonzales

D. Fr. Pedro Affonço

D. Fr. Goncalo Egas

D. Fr. Rodrigo Gil

D. Frr. Fernão Lopez

D. Fr. João Gracia

D. Fr. Affonco Pres Farinha

D. Fr. Vasco Martins

D. Fr. Gracia Martins

D. Fr. Estevão Vasques Pimentel

D. Fr. Alvaro Gonsalves Perejra (Jas na Igreija de Flor de Roza)

D. Fr. Pedro Alves Pereira

D. Fr. Alvaro Gonçalves Camelo

D. Fr. Lourenco Esteves de Goyos

D. Fr. Nuno de Goyos fes os muros da villa, e reedificou

D o Castelo e fes lhe hua grande Torre

João Coelho eleicto

/p. 3204/

D. João de Ataide

D. Fr. Jeronimo de Castro

D. Fr. Vasco de Ataide

D. Fr. Diogo Fernandes de Almejda, jas na Sepultura dos Leons em a Igreja de Flor da

Roza

D. Fr. João de Meneces

D. Fr. Goncalo Pimenta

O Infante D. Luis. Fez regimento por donde se governa o Priorado

o Senhor D. Antonio seu filho

o Cardial Alberto Archiduque de Austria

Victor Amadeo Principe de Piamonte e Duque de Saboya

o Infante D. Fernando de Austria Arcebispo de Toledo

Fr. Jeronimo de Brito – renunciou

Fr. Bras Brandão que não chegou a tomar posse

D. Fr. João de Souza

D. Fr. João Mascarenhas

Fr. Manoel de Mello

o Senhor Infante D. Francisco filho do Senhor Rey D. Pedro o segundo

o Senhor Infante D. Pedro filho do Senhor Rey D. João o quinto

Quantos vezinhos tem, e o numero de Pessoas

Tem esta villa quatro centos, e quatorze vezinhos que /p. 3205/ se compoem de

mil cento e vinte, e oito Pessoas na minha freguezia foj poiz ação maior há poucos

annos no anno de mil e seis centos, e dous D. João de Castela a queimou para formar os

Rebelins e lhe destruiu duzentas e oitenta e duas moradas de cazas na villa trinta dentro

de Castela depois deste incendio o Governador João Machado Fagundes mandou

demolir oitenta e tres moradas de Cazas para formar os Rebelins do Castelo.

Se esta situada em Campina, vale ou monte, e que povoaçoins se descobrem della e

quanto dista

Esta situada em hũa mea enCosta de hum piqueno Monte que cobre toda a villa

da parte do Norte fica encuberta das partes do nascente e poente por padrastos que quazi

a cercão, só se deixa ver da parte do sul, e pella do nascente so se ve da parte do

Portalegre descobremse de varios sitios varias povoaçoíns, da parte do Castelo ao

nascente a Cidade da Portalegre, e grande parte de sua dilicioza serra, em distancia de

tres legoas a serra de São Paulo que serve de antemural a praca de Castelo de vide à

distancia de quatro legoas, Albuquerque na distancia de nove legoas Alegrete na

distancia de sinco do sitio chamado a Torre do Sino estendese a vista pello spaço de

toda a sua potencia, descobremse as villas de Xancelaria, a duas legoas; Seda que dista

tres legoas, Avvis seis, Alter Podrozo huma, e mais da campina de charrneca inculta.

A formozea huma famoza Torre que esta no meio da villa como padrão de sua

antiguidade, esta serve para o relogio cobrea huma Cupulla que termina em forma

paramidal, tem de largo quarenta e dous covados /p. 3206/ e de alto sincoenta e seis foj

toda por fora forrada de azulejo, que a fazia munto brilhante, no anno de mil, e

setesentos e nove cahirão nesta villa tres rajos pellas oito horas da manha no dia vinte e

sinco de outubro hum delles fes tiro a esta bela fabrica e de sima the a verga da ventana

que dis para o poente, onde estava o relogio que por esta Cauza passou para a ventana

da parte do Norte, a desbaratou e neste conserto perdeo a maior parte do azulejo de que

estava vestida e ficou sem a formozura exterior que comrespondia a sua grandeza.

Se tem termo seu que lugares comprehende ou Aldeas como se chamão, e quantos

vezinhos tem.

Tem termo seu que de cumprimento do Norte ao Sul comprehende sete legoas, e

de largo de nascente à poente tem tres legoas, e de circunferencia doze: hoje esta este

termo diminuto por que ja esta villa deu termos a duas, que são a villa de Gaviao, e villa

nova de S. João de Gafete, que forão antiguamente Aldeas suas comprehende o termo as

Aldeas seguintes, Aldea da Matta que tem cento e vinte e quatro vezinhos, e trezentas, e

oitenta, e seis pessoas, Monte da Pedra que algum dia era sua povoaçãono Lugar do

Sourinho, e se mudarão seus moradores para este monte, ou por ser aquelle sitio munto

do corte, como dizem huns, ou por que nelle aparecião humas fantasmas, que

atemorizavão seus moradores, como dizem outros, e os obrigarão a deixar aquele lugar

de que hoje so estão alguns vezinhos vestigios: em mil e seis sentos e trinta e quatro

ainda a Igreja estava no Lugar do Sourinho Esta Aldea tem noventa noventa e hum

vizinhos, trezentas e dezoito pessoas, o Ramiço vinte e sinco vezinhos, e oitenta e huma

pessoas, Val do Pezo que tem cento e hum vezinhos, trezentas e oitenta Pessoas, e a

freguezia da Senhora dos Martires tem noventa fogos trecentas e sincoenta pessoas, tem

mais /p. 3207/ no arabalde a freguesia de nossa Senhora de Flor da Roza que tem cento

e trinta e sinco fogos quinhentas e sincoenta pessoas.

Se a Parochia esta fora do Lugar ou dentro dele quantos lugares ou Aldeas tem a

freguesia todos pellos seus nomes

A Parochia está dentro dos muros da villa, e não lhe pertence lugar algum ou

Aldea.

Qual he o seu orago quantos Altares tem e de que Sanctos quantas naves tem, se tem

Irmandades quantas e de que sanctos.

O orago desta Parochia que a Collegiada de nossa Senhora de Conceipção, tem

nove altares a saber o Altar maior o do Santissimo sacramento nossa Senhora da

piedade nossa Senhora do rozario, o do Anjo da Guarda, o de Sancto Antonio, o de

christo crucificado, o das almas o de sancta Cathrina: o Altar maior está em huma

Capella sumptuoza com huma tribuna de talla dourada o teto pintado, as paredes

cubertas de finissimo azulejo, está fundada em arcos, e nos vãons se acomoda o choro

bayxo com des Cadeiras por lado, sobre a banqueta do altar na boca da tribuna esta em

hum trono a Imagem em vulto de nossa Senhora da Conceipção a quem de dia e noite

iluminam duas alampadas de prata, huma foi offerenda do Serenissimo Senhor Infante

D. Pedro Grão Prior a outra he de uma capella particular: dos lados do arco da tribuna

estão dous nichos, em hum esta em vulto a Imagem da Senhora Sancta Anna a parte do

Evangelho, e da parte da Epistola a da Senhora Sancta Rita da parte do Evangelho fica

colateral a Capella do Santissimo Sacramento toda cuberta de talha dourada nas paredes

dos lados estão dous quadros a quem a mesma talha serve de moldura, são de pintura

estimavel de varios simbolos do Santissimo sacramento.

/p. 3208/

Cobre-se o sacrario com hum pavilhão de damasco da cor que pede o templo por que

para todos fes offerenda destas prendas o Senhor Infante D. Pedro Grão Prior com a

preciozidade e aceio que comresponde ao seu ardentissimo zelo do divino culto fecha-se

com huma grade de ferro de asiado lavor, da parte da epistola está a Capella de nossa

Senhora da piedade com a Imagem de Christo morto nos bracos, esta assentada tem

sinco palmos de alto a Imagem de christo tem quatro, e meio sam de huma so pedra a

sua prezenca soberana he devotissima, na perda da Ilha de Rodes ganhou esta villa este

admiravel thezouro, e a Imagem de S. Thiago que era em seu lugar, e os sinos que estam

em Flor da Roza, nesta villa e seu termo não offendem as serpentes o que se atribue a

virtude desta soberana Imagem estão em hum trono de talha dourada, e da mesma estão

cubertas todas as partes com quadros da sagrada paixão de christo, fecha-se esta capella,

com grade de ferro que no lavor e perfeição conresponde ao do Santissimo Sacramento.

Tem a Igreja tres naves não de munta altura mas de munto aseio estocadas todas, na do

meio está o orgão e no fim o choro alto que occupa não so a nave do meio, mas todas

tres ornado com gradaria de pão de bom feitio, e por baixo de pintura, os stuques o

orgão e o choro forão feitos do zelo do Senhor Infante D. Pedro Grão Prior que o

mandou fazer a expensas suas.

Na nave do Evangelho tem tres altares a face que são o de nossa Senhora do

Rozario, o do Anjo da Guarda, e o de Santo Antonio. Da parte da Epistola estão outros

tres altares em comrespondencia que são o de Christo Senhor Nosso Crucificado com

que se venera huma devotissima Imagem de Christo com o titulo de ecce homo esta

Capella que hoje se ve à façe he funda tem muntas fazendas obrigadas a sua fabrica,

morgado da familia dos Golaios /p. 3209/ que hoje existe na Cidade da Guarda o Altar

das Almas com o seu protector o Archanjo Sam Miguel e o Altar de Sancta Catherina

no Cruzeiro tem em correspondencia duas portas a do lado do Evangelho he da caza do

despacho da Irmandade do Santissimo, e a da Epistola he da Saachristia da Igreja

depozito de muntos calices e patenas velas sagradas, e riquissimos ornamentos que tem

dado a esta Igreja o seu actual Grão Prior o Serenissimo Senhor Infante D. Pedro.

Entrase neste templo por tres portas, huma que he a principal olha para o poente,

as duas travesas do norte a sul tem huma Torre com sua Copula em que estão os sinos,

tem de comprimento pella parte de dentro vinte e nove varas e meia e de largo tem doze

varas. Nesta Igreja ha sinco Irmandades com compromisso que são a do Santissimo

Sacramento a da Senhora do Rozario, a do Anjo da Guarda, a das Almas e a de Sancta

Catherina.

Se o Parocho he Cura, vigario, ou Reitor, ou Prior, ou Abade, e de que apresentação he

ou que renda tem.

O Parocho tem o ttitolo de vigario, alem da provizão de Parocho se lhe da

segunda em que se lhe anexa a jurisdição da vara na villa e destricto que comprehende

não só as Aldeas nomiadas da Massa, Monte da Pedra, Ramiso, Val do Pezo, e

freguezia de nossa Senhora dos Martires mas as duas villas de Gafete, e Tholoza, e a

freguezia da Comenda, que fica no termo da villa de Belver tem o previlegio de regular

com murça e capello he aprezentado pello Grão Prior, apresenta o vigario seis

Mercieiros quatro meninos do choro, hum Mestre da Capella, e confirma o Provizor

estas nomiaçoins, cada hum dos mercieiros tem vinte alqueires de pam meado de trigo e

senteio, e meio alqueire de azeite tem obrigação de ouvirem as missas do dia por tenção

dos Instituidores, e bemfeitores e grãons Priores da Religião da Malta

/p. 3210/

Os quatro meninos do choro tem cada hum vinte alqueires de trigo e mil, e oito

sentos reis para huma roupeta O Mestre da Capella tem de ordenado doze mil reis em

dinhejro e quarenta alqueires de trigo por tocar o orgão, o ordenado do vigario he de

seis moios e des alqueires de trigo vinte e quatro almudes de vinho a bica cantaro, e

meio de azeite, e treze mil e quinhentos reis em dinheiro.

Se tem Beneficiados quantos, e que renda tem e quem os aprezenta

Tem seis Beneficiados tem de renda cada hum dous moios de trigo hum de

senteio vinte e sinco almudes de vinho a bica, meia carga de uvas tres alqueires de

azeite, e quatro mil reis em dinheiro pella pensão do choro: Todos são da aprezentação

do Grão Prior, aprezenta mais o Thezoureiro da Igreja que tem de renda hum moio de

trigo uma pipa de vinho a bica des alqueires de azeite para as alampadas dous mil reis

em dinheiro, e outros dous mil reis por ensinar a doutrina christãa.

Se tem Conventos e de que Religiozos, ou Religiozas, e quem são os seus Padroeiros.

Juncto desta villa ha hum Convento de Religiozos de Sam Francisco da

observançia que pertence a provincia dos Algarves, tem por orago o Senhor Sancto

Antonio, fundouse em huma Ermida de Sam Christovão, em mil e seis sentos e dous,

sendo Grão Prior Victor Amadeo, governava o Priorado D. Diogo de Souza Balio de

Acre, fundou-o o padre Fr. Leonardo de Campos Provincial da Provincia, da fazenda de

seu Pay Antonio de Campos profeso na ordem de Christo veador da fazenda do

Algarve, Governador intirino deste Reino muntos annos, que morreo em mil e

quinhentos, e sesenta e tres, dicesse a primeira missa em [[…]]1 /p. 3211/ mil e seis

sentos, e oito, a tres de Abril foi traladado o corpo do dito Antonio de Campos a este

Convento em mil e seis sentos e des como Padroeiro hoje está o Convento sem

Padroeiro.

1Palavra imperceptível riscada pelo autor.

Tem fermoza Igreja com seis altares o da Capella maior com as Imagens de

Sancto Antonio da parte do Evangelho e do Sam fr. Padre Sam Francisco da parte da

Epistola em hum nixo, da mesma parte está S. christovão da parte do Evangelho está em

outro nixo uma Imagem de Christo crucificado munto devota, Colaterais da parte da

Epistola tem o Altar com a Imagem de nossa Senhora da esperança, do Evangelho está o

senhor S. Caetano, que fes antigamente muntos milagres, pouco tempo lá se conservava

huma balança a porta da Igreja que servio de pezar trigo e sera que lhe offerecião os

seus offerecidos e da parte de fora estava em hum Alpendre que hoje he Igreja a

Imagem do Sancto de pintura com muntas espesias de animais pintados aos pes em que

os moradores desta terra tinhão a proteção dos seus gados, que he a maior parte dos

haveres desta freguezia, juncto ao Altar deste sancto está huma Capella com o

Santissimo Sacramento de talha dourada com munto asseo da invocação da Senhora do

Rozario.

Ficalhe em frente huma Capella funda da invocação de nossa Senhora da

Conceipção tem obrigado a sua fabrica hum grande morgado que anda na familia dos

Caldeiras que na mesma Capela tem o Jazigo de sua Casa da mesma parte esta a Capella

da veneravel ordem terceira que he funda tem por protectora a Senhora Sancta Izabel

Rainha de Ungria, nesta fica huma porta que dá entrada para o sanctuario da ordem

Jazigo gratuito dos Irmãons Terceiros, Tem a jgreja choro alto com suas Janellas, huma

para o nascente outra para o Norte, tem o Convento suficiente claustro com tres

Capellas, a saber de Sam Lionardo huma, o Capitulo Jazigo dos Religiozos, e outra

munto perfeita adonde está a Senhora /p. 3212/ da Conceipção a quem cantão os

Religiozos todos os dias a Ladainha e comemoração para os livrar das sezoins de que

era inficionado o sitio do Convento, teve esta devoção principio pelos annos de mil, e

sete sentos e sincoenta, e quatro, tres dormitorios com acomodação the vinte Religiozos,

tem bastante cerca, en ella uma fonte pouco rica e de ma qualidade.

Se ha Hospital quem o admenistra e que renda tem

Ha Hospital com duas enfermarias separadas para homens outra para mulheres,

poucos annos ha foi reedificado e perdeo toda a forma antiga, este tinha huma escada

para a rua da mizericordia por donde se servião as enfermarias e o choro da Igreja da

mizericordia chegava quazi a rua da Corredoura, esta era munto larga e descançada no

anno de mil e setesentos trinta e hum sendo Provedor Antonio de Abreu professo na

ordem de christo e Mestre de Campo de Auxiliares, se fes de novo com a perfeição e

asseo que conresponde a terra.

Administra a Irmandade da Mizericordia, o Provedor aceita por si só os que

enfermão repentinamente, e os que necessitão são providos por petição despachada em

em Menza, não tem renda propria por que as da Casa da Mizericordia se aplicão na cura

dos pobres não so em alimentos necessarios camas roupas, mas em salarios de Medicos

Cirurgions Enfermeiro Serventuarios, e em despeza de botica tem mais caza para se

recolherem os peregrinos, não consta quem fundasse este Hospital.

Se tem Caza de Mizericordia e qual foy a sua origem que renda, e o que houver notavel

em qualquer destas cousas

Tem Caza da Mizericordia, a Igreja velha mostrava a sua antiguidade, era

pequena, e munto bayxa de abobeda e os fechos de pedras de varios lavores, tinha

alpendre e ficava para a rua chamada da mizericordia, no dito anno de mil sete sentos

trinta e hum, se demolio e se entrou a fazer /p. 3213/ [a fazer]2 com o Hospital a nova

Igreja que he formoza toda de abobeda com tres altares; no principal esta em vulto a

Imagem da Senhora com o titulo da Saude, as duas Capellas ainda não estão ordenadas,

porem estão seus Altares destinados para os dous enfermeiros S. João de Deos nosso

Provinciano fundador da ordem dos Hospitalejros, para S. Camilo de Lelis fundador dos

clerigos Ministrantes.

Tem Cem Irmãons sincoenta nobres, e sincoenta de segunda condição,

governasse pello compremiso da Sancta Mizericordia de Lisboa, tem hum Capellam,

hum Hospitaleiro, tera de renda huns annos por outros quatro centos mil reis, que se

gastão em obras de Mizericordia com pobres enfermos e mortos.

Administra huma Capella que instituhio D. Brites Irmãa do Lecenciado Antonio

Dias de Abreu, e de D. Branca que Cazou para o Porto, cuja renda aplicou para dote de

orfãns, do testamento não há mais tradição por que se perdeo, a noticia dos antigos he

2O autor repete “a fazer”.

que perfirão as filhas dos Confrades, logo as da terra, preferindo as fermozas as feas, e

entre todas as que estão mais proximas a tomar estado.

Sam os dotes de des mil reis não tem numero certo porque conforme o

rendimento da fazenda, assim são mais, ou menos em numero os dotes darasse pos

elleição secreta a votos em parcelas sobre as quais estão os nomes de cada huma das

oppozitoras, votão os Irmãons da Meza, fasse esta eleição em dia de reis há tradição que

esta instituidora morreo na Cidade do Porto para donde foj acompanhar a dita sua Irmãa

D. Branca.

Quem fundasse esta sancta Caza não se sabe, por que no anno de mil seis sentos

sesenta, e dous queimarão os Castellanos Capitiniados por D. João de Austria esta villa,

e se reduzirão a sinzas todos os Cartorios, e papeis antigos.

Se tem algumas Hermidas e de que Sanctos e se estam dentro, ou fora do Lugar e a

quem pertensem

/p. 3214/

Tem esta freguezia nove ermidas, que são o Senhor do Calvário S. Sebastião e a

Capella dos prezos Sam Pedro, Espirito Sancto, Sancto Amaro, Sam Grigorio Sancto

André, Sam Miguel tres estão dentro da villa a do Senhor do Calvario juncto a Igreja

Matriz, he de abobeda com hum so altar adonde se venera por milagroza a Imagem de

christo crucificado pintada em azulejo, S. Sebastião E Capella Mor he de abobada, a

Imagem do Sancto he de pedra munto perfeita o Corpo da Igreja reformado de madeira

tem dous altares Colaterais, sem uzo, na Capella Mor esta huma Tribuna que pertence a

familia dos Siqueiras hoje existe em a Cidade de Portalegre, he da proteção regia

administrada pella Camera que manda dizer nella missa aos Domingos, e dias sanctos.

A Capella dos prezos he da invocação de nossa Senhora do bom sucesso he toda

de pedraria tem anexo de sua fabrica hum grande Morgado que anda na familia dos

Carrilhos tem obrigação de missa dos Domingos e dias sanctos, e em todos da

quaresma.

Fora dos muros esta a Igreja de Sam Pedro que algum dia foi Parochia he de

huma so nave tem tres altares, o Principal do Senhor Sam Pedro o da parte da Epistola

do Senhor Sam Marcos o da parte do Evangelho sem uzo, nesta Igreja inda se enterrão

muntas Pessoas que tem nella suas sepulturas antigas, são obrigados os Beneficiados da

Matriz por turno hirem dizer missa todos os dias de semana antes de prima nesta Igreja

que pertence ao Grão Prior. paga este ao Thezourejro quarenta alqueires de trigo

alqueire e meio de azeite e cento e vinte e sinco reis com dinhejro, hoje está novamente

reparada de paredes e tecto de madeira, a expensas do Grão Prior o Senhor Infante D.

Pedro.

No Rocio para a parte do Norte esta a Ermida do Espirito Sancto que a governão

Juizes e Mordomos e Thezoureiro.

/p. 3215/

A esta eleição assiste o Juiz de fora tem tres altares, o Maior do Espirito Sancto

em que esta da parte do Evangelho huma Imagem de nossa Senhora com o titulo da

Concolação que he de Roca a Capella Mor he de Abobeda o Corpo da Igreja he de

madeira tem dous altares Colaterais, o da Epistola de Sam Bartholomeu o do Evangelho

de Sam Tiago sobre hum Cavalo com hum Mouro aos pes tudo feito de huma pedra

obra perfeitissima veio da Ilha de Rodes com a Imagem da Senhora da piedade que vai

no ttitulo da Igreja Matris Tem esta Ermida hum grande Alpendre tem missa aos

Domingos e dias sanctos que paga a Irmandade a custa das rendas desta Igreja.

Sobre hum monte de penedias para a parte do nascente esta huma Ermida de S.

Amaro que algum dia foy de Sancto Antonio tem hum so altar em que esta o Sancto,

Felipe terceiro fes merce de huma Imagem de Sancto Antonio que estava nesta Ermida

aos Religiozos que a Conservão hoje da Sanchristea do Convento Esta Igreja Costumão

os seus devotos pedir aos senhores das vinhas que estão no citio de Sam Bento as

pastages, e com esta esmola a reedeficão, em o anno de mil sete sentos, e vinte passou o

Sancto para a Igreja Matris para se lhe reparar a Igreja, estava no Altar de S. Antonio,

em dia de quinta fejra Sancta, tendo todos o altares Luzes este estava com duas velas

somente, Joze Carrilho mandou trazer de sua Caza seis de mejo arratel para alumiar o

Sancto hospede na Igreja, arderão nos dias de quinta feira, sesta e sabado athe o

domingo da resurreição no qual as mandou recolher o Bemfeitor, e as encontrou da

mesma grandeza pezo, e medida quando se acenderão, servirão os annos que o sancto

esteve na Igreja nos dias da semana sancta, e ao terceiro arderão the o fim.

Na descida deste monte está outra ermida pobre da invocação do Senhor Sam

Grigorio, para a parte do sul tem outra ermida juncto aos muros da invocação de Sancto

Andre /p. 3216/ esta tem hum ferragal para a sua fabrica com distancia de meja legoa

para a parte do poente esta a Ermida de Sam Miguel: no altar maior se venera o Sancto

Archanjo e huma Imagem da Senhora com o titulo dos Remedios, estão anexas a esta

Igreja algumas fazendas, e tem o Administrador de mandar dizer nesta Igreja missa aos

Domingos e dias sanctos: de todas estas Igrejas Sam Sebastião e A mizericordia, sam da

proteção regia, e as mais sujeitas a Parochia.

Se acode a ellas romagem sempre ou em algũns dias do anno, e quais são estes.

Na Ermida de Sam Miguel he procurada com munta ferquencia a Imagem da

Senhora dos Remedios, não so das pessoas da villa e aldeas, mas da partes distantes

com mais spicialidade nos sabados da quaresma costuma a maior parte dos votos ir

descalcos ou todo o caminho, ou parte delle segundo suas capacidades, sendo o caminho

aspero por ser de areas grossas; dia de Sam Miguel he o maior concurso das terras

vezinhas.

Na Igreja do Espirito Sancto he procurada com ferquencia a Imagem de Santiago

principalmente por homens ganadeiros que festejão com suas cavalhadas ao seu modo, e

o tem por espicial advogado das Epedemias dos animais que pastoreão.

A Igreja de Sancto Andre há vizitada com munta devoção no dia do Sancto;

ignorase o principio que teve a devoção dos meninos correrem touros no dia do sancto,

para o que fazem o Touril de pedras miudas conrespondentes as suas forças e procurão

os bois de arado que Lavrão nos Coutos, e fica gostozo espectacolo ver a mansidão

unida unida a inocencia.

Quais são os fructos da terra que os moradores tem em maior abundancia

Senteo trigo, Milho belota, e Landem he a maior parte de fructo que recolhem os

moradores: tem a terra azeite bastante.

/p. 3217/

Falta de vinho fructas ortalisas e legumes, nos gados esta he a maior parte dos

haveres da terra.

Se tem Juiz ordinario na Camera, ou se esta sujeita ao governo das justissas de outra

terra, e qual he esta

Tem esta villa Juiz de fora como Cabeça de Comarca ouvidor tres veriadores

hum Procurador tudo dacta do Grão Prior o ouvidor que algum dia morava no Castelo

tem o regimento de Corregedor em todo o Priorado; tem previlegio para se não apelar,

ou aggravar = omisso medio, e assim toma conhecimento por appelação e aggravo de

todas as Cauzas civeis, e crimes: o Lugar de Juiz de fora he mais moderno, teve seu

principio pellos annos de mil seis sentos trinta, e oito, por ser este o primeiro em que se

meteo em condição ao rendeiro das rendas do Priorado pagar oitenta mil reis ao Juiz de

fora.

Se he Couto cabeça de Conselho Honra, ou Behetria.

Já vaij respondido a este Interrogatorio.

Sa ha memoria que nella florecesem ou della sahisem alguns homens insignes por

virtudes letras ou armas.

He vos constante no Capitolo dos Religiozos estam tres Corpos intejros

ignoram=se os seus nomes e a patria por que a religião de Sam Francisco por que tem

muntos, não se occupa a escrever nomes de sanctos.

Ha havida por veneravel nesta villa huma sua filha chamada Maria Ferreira,

depois de morta ficou flexivel, lancou sangue foi seu corpo conduzido pellas ruas de

toda a villa como em triunfal pompa indo no feretro no fundo da rua chamada a da

Portela, abrio os olhos, e fitou a vista em huma sua amiga como consolando a na penna

da sua magoa, era Irmãa de hum sacerdote de vida exemplarissima chamado Amaro

Ferreira: Do janctar que fazia para o Irmão dava porcoins a quantos meninos, e

enfermos lhos mandavão /p. 3218/ [mandavão]3 pedir e sendo a porção costumada hum

so aratel de carne, ou peixe nunca fes falta o que dava, a sustentação da sua caza, jas em

humilde sepultura na Igreja de Sam Pedro.

Na Capella de nossa Senhora da Conceipção do Convento está sepultada D.

Antonia Maria Mascarenhas de Arganil, e Castro natural do Lugar de Pernes do

Arcidiagado de Santarem foj cazada com Antonio Caldeira de Abreu Capitam Mor

desta villa passados annos de seu falescimento, foi aberto o Carneiro do seu Jazigo, se

achou não so sem corrupção o seu corpo mas todos os vestidos e habito em que foi

sepultada, he da familia dos Pegados, e Rezendes.

Morreo em a Xina aos vinte e hum de Marco, de mil sete sentos e sincoenta D.

Fr. Francisco de Sancta Roza de Viterbo do Arrebalde desta villa baptizado nesta

freguezia, aos vinte, e quatro de novembro de mil seis sentos e noventa, e tres e as cartas

que derão noticia da sua morte a davão de muntos prodigios que nella acontecerão foy

Religiozo de Sam Francisco da observancia da Provincia dos Algarves e nela leictor

Jubilado qualificador do sancto officio, Examinador das tres ordens Militares Consultor

da bulla, foy vizitador deste Grão Priorado, compos muntos livros spirituais, traduzio de

Castellano a nossa vulgar a obra do Padre Antonio Valasques intitulada Thezouro de

Christãons, feslhe em hum tomo hum doutissimo suplemento, e por pareser nova esta

doutrina no Reino a defendeo em publicas concluzoins nas duas universidades de Evora,

e Coimbra, e deixou sem hesitação a sua pratica. foy Bispo de Nanchim, penetrou o

vastissimo Imperio da Xina vizitando suas ovelhas, nesta sancta obra deu o Espirito ao

Senhor no dia, e anno referidoshe da familia dos Gomes de flor da Roza.

Foy veneravel nesta villa D. Leonor natural da cidade de Lisboa de sua mesma

Caza fes dezerto negandosse a toda a comonicação humana por muntos annos,

conservase hoje huma Crux de desmarcado pezo que punha sobre seus honbros e com

ella vizitava as estacoins da via sacra jas con huma sepultura humilde na Igreja Matris.

3O autor repete “mandavão”.

Izabel Teixeira desta villa foy dotada de ardentissima charidade /p. 3219/ com os

pobres, para dezempinhar os lances desta virtude premetio Deos quem em duas

occazions lhe cresceo o pam, e azeite em sua caza, morreo no anno de mil e sete sentos

e doze chorarão os pobres a falta desta piadoza May com este titulo foj por todos

acompanhada a Igreja do Convento onde jas, he da familia dos Teixeira Carrilhos.

He natural do Crato Fr. Joze de Sam Bento Religiozo Leigo da observancia de

Sam Francisco da Provincia dos Algarves na virtude da pobreza e humildade foj reetrato

de seu sarafico Pay foy conhecido pello titulo de leigo Pregador, de duas oracoins se

valião os aflitos para com o senhor Sam Diogo, a quem elle atribuia o felix exito, que

tiverão muntos que concorrerão a este humilde pobre está extinta sua geração que teve

por alcunha os Marmaladas Jas no Capitulo de Sam Francisco da Cidade de Beja.

Nesta villa nasceo o Padre Sebbastião de Abreu da Companhia de Jezus

conhecido pello nome da sua obra a quem deu o ttitolo de Parocho perfeito foi de Ilustre

geração a quem o tempo, e faltas de cabedais escurecerão o esplendor, hoje está seu

nome quasi amortecido.

O Doutor Domingos Antunes de Abreu foj Lente de Cannones na Universidade

de Coimbra, jubilado na Cadeira de vesporas he da familia dos Caldeiras a quem deixou

em Morgado muntas propiedades entre ellas a Herdade de Folgão Palha.

Fr. Manoel de Sancta Maria Agostinho descalço foi natural desta villa teve as

honras de leitor Jubilado qualificador do sancto officio Prior no Convento de Estremos

Definidor e Vigario geral foi insigne Pregador, está sepultado no Convento da sua

ordem em Estramos.

Antes da guerra da aclamação não ha noticia alguma nesta villa por se

queimarem todos os Cartorios, e papeis no incendio do anno de mil e seis sentos, e

sesenta e dous.

Na guerra da aclamação servio ao Rey, e a Patria Diogo Caldeira de Abreu, foy

Capitão de Cavalos dezempinhou neste posto as obrigaçoins do seu nascimento, que não

forão remuneradas com acrescentamentos maiores porque embaraçou a morte a

retribuição de seus servicos.

Desde a guerra aclamação temos noticia de Diogo Caldeira /p. 3220/ de Abreu

que fes na entrada da Guerra da grande aliansa, em mil, sete sentos e quatro huma tropa

de Cavalos com que militou, foi de tão singular valor que na praca de Campo Maior o

conhecerão as mulheres dos soldados por invincivel segurando as vidas dos Maridos na

conducta deste Capitam que na batalha de mil setesentos e nove vendo retirar a

Cavalaria se pos a pe e passando para a Infantaria colheo dos mortos armas, e monicoins

com que fes admiraveis gentilezas não requereo adiantamento por que julgou menos

heroicidade pedir paga quem servio so pello amor do Rey, e da Patria.

Diogo Moreno na entrada da mesma Guerra servio a Patria com huma tropa de

Cavalos que fes a sua custa teve a inveja por companhejra do seu esforço nos choques

de Lobon Almendragueira, e sobre o rio Teta obrou milagres de valor, nascelho a

emulação da fortuna de pessuir hum Cavalo, que este por inapreciavel lho pedio certo

xefe do exercito, e suposto que lho mandou pellos cabeçois desconhecendo-o o julgou

por tão outro que não o admetio, sem freo, e mais areos era mais desmanchado que

qualquer Egoa, foi precizado por machinas que lhe levantou o odio sobre o falço

alicerse de ser outro o Cavalo offerecido aubzentarse do Reino por envergonhado por se

lhe imputar na guarnição de Albaquarque secreta inteligencia com Hespanha, desta

afronta o remio a sua mesma inocencia, e depois da pas selebrada em Utreque foij

nomeado Capitão de Mar e guerra pello Augustissimo Rey Dom João o quinto.

João de Deos foij soldado de leva na entrada da Guerra de mil e setesentos e

quatro, servio na Infantaria com tam destinto procedimento que em poucos annos

estando para morrer lhes chegou com a merce de habito de christo a patente de Capitam

que so lhe servio para a pompa de seu enterro, o sentimento da Patria que perdeo hum

filho que podia sobre o alicerse do seu valor levantar alto edificio à sua fortuna.

Christovão Perejra Cratto foj soldado de leva na entrada /p. 3221/ da Guerra de

mil setesentos e quatro tem merecido pello seu procedimento a patente de Capitão da

Infantaria foj hum dos nomiados no sitio de Campo Maior para a fação de encravarem a

artilharia inimiga para o que se escolheram os mais destinctos no valor, entre sua

numeroza guarnicão.

Nesta villa se creou hum Cavalo com tão spicial virtude que os Cravos com que

se lhe pregavão as ferraduras feitos em aneis servião de singular prezervativo dos

acidentes de gota Coral.

Se tem feira, e em que dias, e quantos dara se he frança (sic) ou captiva

Tres feiras se fazem no arebalde desta villa a primeira em a primejra sesta feira

de Março a segunda em quarta de Agosto e a tercejra em oito de Setembro dara cada

huma hum dia sam francas menos a de Março para a portagem, tiverão principio nas

muntas Pessoas que de partes distantes vinhão ganhar os jubileos e muntas indulgencias

que tem os que nos tais dias vizitam o sanctuario da Igreja de nossa Senhora de Flor da

Roza fazemse em terras de religião de Malta, pagasse o terrado ao Grão Prior, he juiz

dos Terrados o Almoxarife e seus da fazenda do Grão Prior e dos seus dereitos Reais.

Se tem correo e em que dias da semana chega, e parte e se o não tem de que correo se

serve, e quanto dista a terra donde elle chega.

Servesse esta villa do Correo de Portalegre que dista tres legoas tem hum stafeta

a quem paga o Senado da Camera por ir nas quartas feiras levar cartas, e aos sabados

condozir as respostas, não tem stipendio certo arematasse a quem por menos toma esta

obrigação.

Quanto dista da Cidade Capital do Bispado e quanto de Lisboa Capital do Reino

Dista esta villa da Corte e Cidade de Lisboa trinta Legoas.

Se tem alguns previlegios anteguidades, ou outras couzas dignas de memoria.

Tem os moradores desta villa o privilegio de Comer em /p. 3222/ as pastagens

de todo o termo com os seus gados sem que a Camera [sem que a Camera]4 possa fazer

deles Coutadas para vender, quem o concedeo não ha memoria, so se sabe que

antigamente alegarão os moradores ao Grão Prior que esta terra era munto doentia por

cauza dos muntos matos que a cercavão e lhe pedirão que se repartisse o termo em

sortes pellos moradores, e por estes serem pobres, tomou cada hum o que quis, com a

Condição de serem os pastos comuns e desta repartição rezultou ficarem muntos

pedaços de terra sem senhorios que hoje são defezas, e courelas da ordem.

Em hum Alvará de dezasseis de Novembro de mil seis sentos e honze consta que

alegou o Povo que de tempo immemorial estava de posse ser senhor dos pastos e se lhe

confirmou esta posse: tem o povo outro alvara passado em mil seis sentos e onze e

treze5 em que se manda por prepetuo silencio em todas as cauzas movidas contra o

disposto no dito alvara de mil e seis sentos e onze, e da arezão que he estar o Povo de

posse imemorial, em mil seis sentos e hum, e trinta e hum se passou outro alvara a favor

do povo confirmando os dous referidos: em mil e seis sentos e oitenta se passou alvara

que manda se não reparta coutada a pessoa de fora do termo no tempo das afilhacoins

das ovelhas, e por virtude destes alvaras he o povo Senhor dos pastos do termo, menos

nas defezas do Grão Prior que são Malfor, Marrochos, Enfermaria, Repreza, Navalha,

Sepilhejra, e Granja.

Há mais a Zambujeira que he defeza por merce do Rey D. Affonço sexto feita a

Antonio de Macedo, e Souza seu sacretario de estado. He senhor desta defeza Luiz de

Souza de Macedo o terceiro Barão da Ilha Grande, e hoje visconde de Misquitela.

Ha mais outra defeza chamada o murtal por merce feita ao Principe de Piamonte

e Duque de Saboa victor Amadeo que fes merce destas terras a D. Fr. Amador Arrais

Carmelita Calcado esmoler Mor, Bispo de Andrumeto, e Tripóli que foy o terceiro

Bispo de Portalegre, he hoje Senhor desta defeza o Doutor Ignacio Caetano Carrilho

fameliar do Santo officio profeço na ordem de christo e hoje Provedor da Comarca da

Cidade da Beja.

4O autor repetiu “sem que a Camera”.

5Sic: “e onze e treze”.

/p. 3223/

Ha distancia de meia legoa hum edificio que algum dia foj Igreja de Sam Lucas

hoje se conserva o titulo a huma orta que esta juncto a estas ruinas.

Ha outro sitio chamado o castelo velho e pello nome se infere ouve castelo

naquele lugar e se ve que a cidade de Crataleuca de tres quartos de legoa de

comprimento quer era te Marrochos onde ha pouco destruhio o tempo huma Torre

porque se encontrão vestigios de edeficios de huma a outra distancia.

Conservasse nesta villa huma rua com o nome de bispeiro que alguns Autores

chamão de Bisparia, onde moravão os Bispos dos quais não há mais memoria do que do

já nomeado = Secundino = por se achar sua firma como dicemos no Concilio de

Ilibiritana.

O Senhor Rey D. Manoel recebeuse com a Senhora D. Leonor nesta villa nas

cazas do Grão Prior que ainda hoje são forejras e se chamão Passo.

Na defeza da repreza ha vestigios de edificios antigos como tanques, asudes

cazas, nesta defeza tiverão caza de campo os Grãos Priores, há ainda provizoins

assignadas por hum Provizor, e dis passos da repreza.

Nas defezas da navalha, e enfermaria, se encontra vestigio de hum edeficio que

se chama o alicerse dizem que foy huma estrada lançada por linha Mathamatica desde

Aldea Galega the Madrid he obra ao que parece de Mouros pello bitumozo argamaça de

que hé feita.

Há um moinho que mostra nos seus edeficios que foy obra magnifica com seis

aferidos, este era do Grão Prior, e a elle erão obrigados os moradores da terra irem moer

os seus trigos o Infante D. Antonio o deu a hum Criado seu criado D. João de Austria a

esta villa, e sabendo que aquela fabrica era do Grão Prior o mandou demolir, hoje se

conserva com dous aferidos desde a auzencia do Infante D. Antonio se conserva na

familia dos Andrades, Leytoins, Carneiros, que erão seus Almoxarifes.

Dos interrogatorios vinte, e tres, e vinte quatro nada ha que responder.

Se a torra for murada digasse a qualidade de seus muros se for praca de armas digase a

sua fortificação

/p. 3224/

He a villa toda murada de muros altos de pedra e cal mas de poucafortaleza por

serem de seis palmos de grosso sem terraplanos, teve a muralha seis torres que hoje

estão destruidas sobre a Porta de S. Pedro ao Norte huma, a Torre do Sino entre o

Poente e o Norte, a Torre da porta de Seda ao Sul, a Torre do marmelar entre o nascente

e o Sul, a Torre das borregas barrenjeira ao nascente, servesse a villa por sinco portas a

de Sam Pedro ao Norte, Santarem ao Poente, Seda ao Sul, Porta nova entre Sul, e

nascente, Porta de Berengal ao Nascente estes muros forão obras dos Grãos Priores D.

Frei Alvaro Gonsalves em mil trezentos noventa e seis fes as Cavas e barbacans, e D.

Frei Nuno de Gois levantou os muros.

Tem Castelo que algum dia foy praça forte tinha duas ruas dentro com trinta

moradores Igreja com o titolo de Sam João Baptista, huma grande torre cisterna,

atafonas, prassa de armas, comrespondiasse com quatro atalajas de pedra, a cal huma no

cabeço de Sam Lourenço ao Sul que da vistas ao termo da villa de alter dos Chaos, a de

Marrochos entre nascente, e Sul descobre munta Campina, outra a fonte da ladeira ao

Nascente descobre munta distancia de terra para a parte de portalegre e outra ao Torriço

ao Poente que descobre Seda e Chancelaria todas em distancia de legoa do Castelo.

Tinha tres Rebelins e hum fosso que fazião impenetravel a sua entrada, que era

huma Ponte levadisa fica sobre huma Montanha de penedias e faz circulo a terra com a

muralha, chamavasse o Castelo da Azoihejra foi fortificação forte guarnesida com

muntas pessas de bronze das quais na guerra de mil sete sentos e quatro forão muntas

para a praca de Castelo de vide donde as levou Hespanha.

No anno de mil seis sentos e sesenta e dous a vinte e nove de Junho apareceo

sobre esta villa na frente de hum exercito de sinco mil Infantes, e seis mil Cavalos, D.

João de Austria, asentou a sua artilharia na defeza de Malfor, onde chamão a Portela do

Reinol, saudoua com alguns tiros, e mandou bolantim a prassa, offertandolhe as vidas

pella entrega, não havia de guarnição /p. 3225/ mais que os Passarros, e parecendolhe

que sem mais muniçoins que o affecto e lialdade da Patria podião rezestir a poder tão

grande, mandarão segurar ao Principe que não lhe custaria tam barata a entrada por que

estavão rezolutos a comprar as vidas proprias com mortes de inimigos, que não podiao

entregar a Prassa sem provar a fortuna na rezistencia, e que so a morte de todos os podia

apartar da rezelução.

Brigarão sinco horas, e acabados os bastimentos ficarão sujeitos a vontade do

vencedor que mandou entrar a prassa, e que perdessem aos fios da espada a vida todo o

racional, e que sentisem as mesmas pedras o rigor da guerra pondosse fogo as cazas, a

primeira parte do Decreto revogou o Principe como catholico, e pellas sinco horas da

tarde entrarão os vencedores e puzerão fogo em muntas cazas de cada rua em vinte e

quatro horas; destruhio de todo duzentas e oitenta, e duas moradasde cazas o incendio

na villa, trinta de que se compunhão as duas ruas do Castelo: destruio a torre e todas as

mais cazas, edificios, fortificaçoins não perdoando a Igreja de Sam João arazando o

Castelo the ficarem os muros em altura de Cordão; Mandou Enforcar o Sargento Mor

Jeronimo Gonsalves de Xaves que morreo protestando como victima da honra lialdades

ao Rey, e affectos a Patria: O Governador Andre de Azevedo de Vasconcelos foy

perdoado: Neste Castelo moravão os Ouvidores e Provizores, em mil e seis sentos e

sincoenta, e seis morava nelle o Doutor Diogo Furtado da Costa vigario geral do

Priorado.

Se padeceo alguma ruina no Terremoto de mil e sete sentos e sincoenta e sinco

No Terremoto padeceo esta villa pouco estrago abrirão algumas cazas cahio

huma ximiné, a Crux que esta sobre a Capella do Calvario, que está direita ao Norte

voltouse para o nascente e a que está sobre a porta da Mizericordia que fica ao Poente

voltouse para o norte, tudo está reparado.

Nos interrogatorios dos Rios digo a vossa Magestade que juncto a esta villa em

distancia de menos de tiro de pessa corre de inverno de nascente a poente huma ribeira

chamada o xocanal tem o seu nascimento, em este termo em distancia de duas legoas no

sitio chamado Torre de Palhais, morre a pouca distancia /p. 3226/

da villa em outra Ribejra chamada de Seda, tem duas pontes de Cantaria, huma chamada

a ponte nova, está quebrada, e sestituida com madeira a sua fabrica, a outra na estrada

que vay para Evora.

Nas Margens desta Ribejra está huma quinta chamada a vargem sobre a terra se

tem encontrado neste sitio topazios finissimos: no mesmo sitio cria agoa nos pes das

arvores huma conhecida com o nome de pes de Rio, esfregando com ellas as mulheres o

rosto ficão rubicundascom hum encarnado tão natural que lhes augmenta a formozura, e

por mais que se lavem e se alimpem em tres dias não desmente, seu natural effeito que

de graça offertão as agoas desta Ribejra as mulheres para lhes curar os desmaios da

beleza.

Nesta Ribejra há tres moinhos de pão e dous engenhos de moer azeitona, destes

moinhos há obrigação de pagar conhecença ao Grão Prior pello dereito das agoas.

Há mais outra Ribejra chamada de Seda que nasce em Portalegre corre de

nascente a Poente, tem neste termo duas Pontes de Cantaria huma chamada de Manoel

da Costa, e outra juncto da villa em menos de quarto de legoa na Estrada de Evora; de

inverno he caudeloza quasi a distancia de huma legoa para o Poente sepultas suas agoas

e corre subterranea por spasso de sesenta brassas, deste termo passa para os de Seda, e

Benávilla e em nove legoas de seu curto juncto de Avvis perde o nome e se chama

Ribejra de Avis, em Coruche se chama Ribeira de Coruche, e em Benavente se abrasa

com o nosso Teio.

Nesta Ribeira há sinco moinhos de pão todos pagão conhecimento ao Grão Prior,

suas agoas sam livres para a pescaria de peixes miudos, que via.

Há mais no termo alguns regatos tão breves na duração e pobres de Cabedais,

que não tem nome nem me paresse pode ser da Rial intenção de vossa Magestade que

lhe de Conta de suas Correntes.

/p. 3227/

Não comprehenda a minha freguezia mais couza alguma notavel que possa por

na prezenca Real de Vossa Magestade por que o incendio referido destruhio os papeis

antigos de que hoje poderião constar os illustres feitos dos filhos desta terra, e seus

fundadores o que tudo está sepultado no esquecimento: Vossa Magestade mandará o

que for servido. Crato.

O vigario Diogo de Souza Tauares.

Transcrição: Leonor Dias Garcia


http://www.seo.mavi1.org http://www.mavi1.org http://www.siyamiozkan.com.tr http://www.mavideniz1.org http://www.mavideniz.gen.tr http://www.17search17.com http://www.siyamiozkan.com http://www.vergi.gen.tr http://www.prsorgu.org http://www.seoisko.net http://www.seoisko.org http://www.ukashhizmet.com http://www.ukashmavi.com http://www.sirabulucu.net http://www.kanuntr.com http://www.kanuntr.org http://www.kanuntr.net http://www.kananlartr.com http://www.kananlartr.org http://www.kananlartr.net http://www.haberbul.org http://www.iskoseo.com http://www.iskoseo.net http://www.iskoseo.org http://www.siyamiozkan.net