Memórias Paroquiais

  • Aumentar o tamanho da fonte
  • Tamanho padrão da fonte
  • Diminuir tamanho da fonte
Início
Pesquisar
Um total de 206 resultado(s) encontrado(s).
Etiqueta: Memória Completa
  • Memórias Paroquiais (206)

Nossa Senhora do Rosário, 1758, Março, 30

Memória Paroquial da freguesia de Nossa Senhora do Rosário, comarca de Portalegre

[ANTT, Memórias Paroquiais, vol. 32, nº 161, pp. 975 a 978]

 

/p. 975/

Senhor

Observando inviolavelmente o preceito de descrever a situação da freguezia da

Senhora do Rozario, expondo as mais circundancias, de que se compoem a sua

circunferencia, e seu ambito conforme os interrogatorios do papel, que o

Excelentissimo e Ilustrissimo P. Bispo Nosso Prellado me fes remetter por ordem de

Vossa Magestade Fidelissima.

Digo que a insinuada Igreja, e Freguezia de Nossa Senhora do Rozario fica na Provincia

do Alentejo, e que pertence ao Bispado, a Comarca de Portalegre e ao termo da Villa

de Arronches, e que he filial da Matriz da dita Villa, tem vinte e quatro herdades que

com os seus caceiros [sic] formão trinta fogos, e comprehendem os seus habitantes o

numero de duzentas e trinta pessoas; está situada dentro da herdade chamada o

Rozario sobre hum pequeno outeiro meya legoa distante da dita Villa de Arronches, de

cujo sitio senão avista povoação alguma, por estar cercada de mattos de bollota, e

alguns cabeços de terra, que toda, a de que se compoem o seu destricto, que

comprehende a distancia de pouco mais de legoa ao seu cumprimento, e meya de

lárgura, he fertil na producção de trigo, santeyo, e alguma sevada, fica inclinada algum

tanto ao lado esquerdo do Occidente, foi edeficada pellos seus antigos moradores á

instancia dos Prellados para mais facilmente cumprirem com os preceitos da Santa

Madre Igreja, cujo orago he Nossa Senhora do Rozario, tem so huma nave cuberta de

madeira, e telha//

/p. 976/

A capella mor he de abobeda, tem seu rotabollo, douradas collunas, e seus payneis de

pintura ja antiga, forma nos lados dois altares, e fora da capella mor, no do lado direito

tem colocado o Anjo São Miguel pello que se chama das Almas, e do esquerdo hum

cruçifiço da Imagem de Christo de bastante grandeza, razão, porque demarca o altar

do Senhor Jesus, não tem Irmandades actualmente só se ornão com a[s] esmollas dos

fieis, e a Igreja a fabricão os seus moradores porposionavelmente [sic], segundo a

qualidade, e grandeza das herdades, em que habitão: o Parocho he aprezentado, e

com effeito provido com Provizão annual pelo Excelentissimo e Reverendissimo

Senhor Bispo de Portalegre: tem de congrua certa todos os annos tres moyos de trigo,

que lhe pagão os seus moradores por destribuição, que elles tem ja feito convencional

entre si, attendendo á possibilidade de cada huma das herdades segundo a sua

grandeza, e producção de fructos. Tem dentro do seu destricto esta Freguezia para a

parte do Sul huma Ermida com a vocação de Nossa Senhora do Carmo, cuja Imagem he

perfeitissima tanto na maravilhoza dilicadeza de arte, com que foi fabricada, como na

grandeza da sua estatura, que a reprezenta magnificamente soberana, he vestida//

/p. 977/

De graça com roupas, que a escultara lhe soube cortar tão primorozamente, que pode

fazer inveja ás mais delicadas e preciozas galles de materia a mais finissima, reluzindo,

sobre aquelles o bem ideado, e primorozo estofo de juro, que a fas resplandecer no

mesmo accidente, qusanna [sic];

Está esta Senhora collocada na sua Tribuna sobre hum sificiente trono, he a sua Igreja

de materia de pedra, e cal, que forma hum Templozinho de abobeda muy formozo

com dois altares collateraes, e tem seu pulpito, e hum coreto, foi eregida pello zello do

Eremitão chamado Manoel de São Christovão ajudado das esmollas dos fieis de Deos

sobre hum monte de terra arenoza parecendo misterio edeficarse neste monte em

correspondencia do soberano titulo do Monte do Carmo, que por essencia tem esta

Senhora que por milagroza concorrem muytos romeiros a vizitala em varios dias do

anno, e especialmente quando se lhe fas a sua festa em hum dos Domingos de

Setembro; a aria, em que foi edeficada esta Ermida pertencia á herdade chamada a

dos Duques, os que por permição do seu mayor senhorio João Andre de Britto, e Mello

da cidade de Elvas, e com algum auxilio seu ali se fabricou e a requirimento, e despeza

sua a fes benzer, sendo certo que ja ali havia huma Ermidinha antiga com a vocação de

São Dominguinhos, que se destruio, e lhe fes perder o nome esta de Nossa Senhora do

Carmo, que de novo se edificou.

Dista esta

/p. 978/

Esta freguezia quatro legoas da cidade de Portalegre capital deste Bispado, e trinta

com as tres de mar de Aldeya Galega a Lisboa Corte, e Capital do Reyno. Naô padeceo

a Igreja desta freguezia, nem a da Senhora do Carmo, nem ainda os montes, e a[s]

cazas de seu destricto ruina alguma no terremotto de mil sette centos, e sincoenta, e

sinco, nem ha mais couza alguma neste destricto, de que deva fazer rellação que se

incluisse, ou não comprehendesse nos interrogatorios do referido papel, que os

mostrava. Freguezia de Nossa Senhora do Rozario aos 30 de Março de 1758.

O Parocho da freguezia de Nossa Senhora do Rozario do termo da Villa de Arronches

Padre Joseph Girardo Aranha

 

Transcrição: Ofélia Sequeira

Nossa Senhora da Caridade, 1758, Maio, 28

Memória Paroquial da freguesia de Nossa Senhora da Caridade, comarca de Elvas

[ANTT, Memórias Paroquiais, vol. 10, nº 296, pp. 2039 a 2046]

 

/p. 2039/

Informação desta freguesia de Nossa Senhora da Charidade termo da Vila de Monsaras

Capitulo primeiro

1º - Esta freguezia está em a Provincia do Alentejo em o Arcebispado de Evora e fica

em a Comarca de Elvas e termo da Vila Monsaras.

2º - Pergunta o segundo artigo, se he del Rey ou Donatario? Ao que respondo, que he

del Rey, mas consta esta freguezia de herdades cada hua de diversas pessoas em que

tem dominio.

3º - Pergunta o 3º interrogatorio, quantos vizinhos tem esta freguesia e o numero de

pessoas? Tem esta freguesia noventa athe hum cento de vizinhos, isto he moradores

dispersos por toda ella, e terá athe quinhentas pessoas mayores.

4º - Pergunta o quarto artigo se está situada em campina, valle ou monte; e que

povoações se dizcobrem della? Ao que respondo que esta Igreja está sitaída em hum

bayxo; por cuja cauza não se dizcobrem della povoações alguas: mas della dista o lugar

do Reguengo e o lugar da Aldeya de Matto huma legoa para o Nascente.

5º - Pergunta este 5º artigo se tem termo seo, que lugares comprehende, como se

chamão e que vizinhos tem res//

/p. 2040/

Pondo que não tem termo seo, antes he termo da Villa de Monseras.

6º - Pergunta este artigo 6º se a Parochia está fora do lugar, ou dentro e quantos

lugares tem a freguesia? Respondo, que a Parochia está dentro do lugar, que tem o

nome de Charidade: o qual terá sincoenta vizinhos inclusos ja no numero dos vizinhos

desta freguesia no artigo 3º, e não tem mais aldeyas desta freguezia.

7º - Pergunta este artigo qual seja o orago desta freguesia, quantos altares altares tem,

e de que Sanctos; quantas naves tem; quantas Irmandades tem, e de que Sanctos?

Respondo que o Orago desta freguesia he de Nossa Senhora da Charidade. Ha

tradição, que antigamente se chamava Nossa Senhora da Claridade; porque vindo El

Rey Dom Afonso secodindo os Mouros destas terras, e acabando-se lhe a lúz do dia

neste lugar, aquel lhe hera ainda percizão para acabar huma batalha que aqui lhes

deo, levantou então o espirito ao céo, e invocou o patrocinio de Nossa Senhora da

Claridade, o que o Senhor foy servido ouvir, proque então lhe sobreveyo hûa grande

luz, com aqual ajudado alcancou avictoria, que pertendia. Tem esta Igreja seis altares:

hum de São Miguel, outro de Santo Antonio, outro de Nossa Senhora do Rozario, e

outro de São Sebastião, outro do Senhor Jesus, e o mayor que he de Nossa Senhora da

Charidade. Tem huma so nave. Tem duas Irmandades, que são de Santo Antonio e de

Nossa Senhora do Rozario//

/p. 2041/

8º - Pergunta este 8º artigo se o Paroco desta freguesia he cura, vigário ou Reytor ou

Prior ou Abbade; e de que aprezentação hé e que renda tem? Respondo, que o Paroco

desta freguesia he cura, e da aprezentação do Excelentissimo Ordinario e tem quatro

moyos de pam, os quaes pagam os parochiannos desta Igreja.

9º - 10º - 11º - 12º - Nestes quatro artigos não ha que dizer.

13º - Pergunta este artigo, se tem esta freguezia algûas Ermidas, e de que Santos, e se

estão fora do lugar, e aquem pertencem? Respondo que dentro dos limites desta

freguesia se acha huma Ermida, cujo orago de he Sam Romão, distante desta Igreja, de

quem he filial, meya legoa para e parte do Sul, dentro da herdade chamada a

Crugeyra; e he esta Ermida pertencente á jurisdição do Excelentissimo Ordinario.

14º - Pergunta este artigo, se acode a esta Ermida algûas romagens, sempre ou em

alguns dias do anno, e quaes são estes? Respondo que algûas romagens acodem á

ditta Ermida de São Romão, mas não com frequencia: excepto no dia do Santo, que he

a nove de Agosto porque nesse dia//

/p. 2042/

Acoda muyta gente das suas circumvizinhanças, e se fax na mesma Ermida festa ao

Santo.

15º - Pergunta este artigo, quaes são os frutos desta terra que os moradores recolhem

em mayor abundancia? Respondo, que o fruto que aqui se colhe com mais

abundancia, he trigo, e nisto he ponto sem questão; que cateris paribus, excedem as

terras desta freguezia ás do mais termo de Monseras, por serem as milhores do seo

termo tambem recolhem em abundancia sevada, e senteyo.

16º - 17º - 18º - 19º - Nestes quatro artigos não ha que responder, se não que esta

freguezia está sugeyta ao governo da justiça de Monseras, de quem he termo.

20º - Pergunta este artigo, se tem esta freguesia correyo? Respondo que não tem, mas

servesse do mesmo de que Monserás, de quem dista duas legoas.

21º - Pergunta este artigo, quanto dista esta freguesia da Capital do Arcebispado, e

quanto de Lisboa Capital do Reyno? Respondo, que dista de Evora, de quem he

Arcebispado, seis legoas e de Lisboa Capital do Reyno vinte, e seis.

22º - 23º - 24º - 25º - Nestes artigos não ha que responder.

26º - Pergunta este artigo, se padeceo esta freguesia algûa ruina no terremoto de

1755, hem que está, e se está ja reparada? Respondo que as Igrejas desta freguesia,

asim a Capital, como a de São Romão, algûa ruina padecerão; a ruina desta Igreja, não

passou de hûas pequenas raxas, as quais se não tem ainda remediado por se julgar não

ser de necessidade urgente: a ruina da Ermida de São Romão foy mayor, por serem as

paredes menos fortes, mas não cahio parede alguâ da Ermida ainda que ficarão todas

abaladas. As cazas desta Aldeya, e os montes desta freguesia apenas se poderão

numerar poucos, que não padecessem mays ou menos ruina, sendo cérto, que a

alguns cahirão pedacos de paredes, e tilhados mas tudo está remediado segundo as

possibilidades de seos donos.

Ao segundo capitulo, que trata da Serra desta freguesia não ha que responder, porque

a não ha nesta freguesia.

Capitulo 3º

O que se pergunta saber do Rio desta freguesia he o seguinte:

1º - Pergunta este artigo, como se chama asim o rio, como o sitio adonde nasce?

Respondo, que pelas terras desta freguesia passão tres rios e como me não he possivel

acommodar a informação delles juntos//

/p. 2043/

Aos interrogatorios deste capitulo, responderey, narrando de cada hum por sy, o que

souber. Ha nesta freguesia tres rios. Hum tem o seo nascimento nas terras desta

freguesia, e os dous não. Os que não tem o seo nascimento nesta freguesia são a

ribeyra de do Alimo, e o Degébe. O Degebe tem o seo principio no termo de Evora/de

lá vira clará noticia do seo nascimento/, e continuando para bayxo, passa pelas

estremas desta freguesia dividindo a da freguesia de São Juliam de Monte de Trigo e

da freguesia da Amieyra ambas termos de Portel. Dentro desta freguesia tem tres

moinhos de farinha. He de curso arebatado, porque pela mayor para dentro desta

freguesia caminha por entre roxedos. He a abundante esta ribeyra de peyxes. Os mais

que cria são bogas, bardallos, e peyxes, a que chamamos machos [?]. Tem tambem

muito barbo, que cria, e recebe de Guadianna em quem desagua: e muytos mais

tivera, se se impedissem as pescarias de rédes nos tempos das, creações.

A rybeira do Alimo que he a segunda rybeira desta freguesia tem o seo principio, no

Baldio, a que chamamos das Caldeyras, em a freguesia de São Pedro do Corval deste

termo /de lá héra mais clara noticia do seo nascimento/ e entrando nesta freguesia

para parte do Norte a vay dividindo da freguesia do Corval, athe entrar nas terras da

freguesia de Santo Antonio dos Reguengos e continuando para bayxo, vay dezeguar

em o rio de Guadianna. Esta//

/p. 2044/

Ribeyra não conserva aguas correntes todo o anno, mas so nos mezes das chuvas, e he

ribeira que ordinariamente levarão as suas correntes hum e ferido de agûa. Nesta

freguesia cria alguns peyxes, mas miudos, os mais que aqui tem são pardelhas, e

bordallos. As pescarias nelle /como nos demais rios destas partes/ são livres, excepto

nos mezes das criaçôes.

A terceyra, e ultima Rjbeira desta freguesia, e a que nasce nos seos limites, he a

Rjbeira, a que chamamos da Charidade. Nasce esta Rjbeira na herdade do Mouro desta

freguesia da parte do Norte, e continuaando para bayxo passa pelas hortas desta

Aldeya, pela Ermida de São Romão, athe hir desaguar na Rybeira do Degebe dentro do

Baldio de São Romão.

[Tendo desta freguesia e que por isso conservou sempre o nome da Charidade]

Tambem esta Rybeyra não conserva aguas correntes todo o anno, porque as que tem

são das chuvas, tãobem as duas correntes parão, e alguns annos poucos pegos lhe

ficão. Tem poucos peyxes, os mais que tem são pardelhas, que todos os annos recebe

do Degebe, e alguns bordalos. Terá esta rybeyra ao mais de distancia duas legoas.

Esta he a noticia que posso dar desta terra, e destes rios. Se en assistisse ha mais

tempos nestas terras do que tres annos unicos, que aqui tenho assistido, talvêz milhor

noticia dera, do que aprezente, mas como me//

/p. 2045/

Foy percizo dizer, disse o que possivel me foy, Charidade hoje 28 de Mayo de 1758.

O Cura Joze Bernardo Gravã[o] [assinatura autógrafa]

 

Transcrição: Ofélia Sequeira

Lameira, 1758, Abril, 8

Memória Paroquial da freguesia de Lameira, comarca de Portalegre

[ANTT, Memórias Paroquiais, vol. 19, nº 44, pp. 373 a 374]

 

/p. 373/

Senhor

Satisfazendo e observando como leis inviolaveis aos interrogatorios que me foram

dados pello Excellentissimo e Reverendissimo Bispo de Portalegre meu Prellado

ordenandome responda a elles como he mandado e respondendo tam somente pello

que, pertence ao que delles se inclue no districto desta freguezia de Nossa Senhora

dos Remedios de Lameyra termo da Villa de Arronches em que sou Parrocho

aprezentado pello mesmo Excellentissimo Bispo por este ser Senhor della.

Digo que esta freguezia está situada no termo da Villa de Arronches Provincia do

Alentejo e do dito Bisppado de Portalegre e he sufraganca á Matriz collegiada da

mesma Villa por ser sua filial tendo esta dentro do seu destricto treze Herdades, e dois

moinhos que fazem o numero de quinze fogos, e cento e doze pessoas de hum e outro

sexo.

He esta Parrochia pequenna tem tres altares; o mayor e does collateraes no altar

mayor está collocada a Imagem de Nosa Senhora dos Remedios da Lameyra como

orago de Caza estando tambem collocada no mesmo altar a Imagem de Nossa Senhora

do Rozario: no altar collateral da parte direyta esta collocada a Imagem de Nossa

Senhora dos Remedioz de vulto mais pequeno: no collateral da parte esquerda está

collocado hum crucifixo o vulto nam munto pequeno e da parte direyta e esquerda

estaô por pintura as almaz e Sam Miguel:

He o altar mayor de aboboda, a Igreja de huma só nave cuberta de madeyra e telha

tendo a porta para o Occidente, a qual cobre hum álpendre composto, e formado em

sinco arcos, estando esta situada em hum valle bastante humedo e fora da Parrochia

está hum necimento de bastante agoa, que naô seca ainda nos annos mais esteriles e

dizem nasce da Parrochia e mostra ser verdade, porque tambem o he quando se

abrem algumas sepulturas se emchem logo de agoa, e dizem ser esta a rezam, porque

se chama de Lameyra, havendo tambem no destricto desta outo, ou nove postos, a

que chamam fontez//

/p. 374/

Dos quaes naô ha memoria se tenhara [sic] secádo ainda nos annos da mayor

esterilidade:

Nam tem esta Parrochia Irmandade, nem della se descobre povoaçam alguma e tem

de renda o Parrocho tres moyos de trigo, que lhe pagam os lavradores e mais

moradores della por este lhe hir dizer missa todos os Domingos e dias Sanctos do

anno, e administrarlhes os Sacramentos distando esta freguezia da Villa de Arronches

duas legoas e da cidade de Portalegre Capital do Bisppado seis e da Corte e cidade de

Lisboa Capital do Reyno trinta e duaz; e sendo a maiz pequenna freguezia do termo, he

a mais abundante de trigo, senteyo e sevada, e ha dentro do destricto della bastante

arvoredo de azinho que da bolota com que se emgordaô bastantes porcos havendo

tambem dentro do mesmo destricto bastantes ovelhas, cobras e gado vacum.

Nam padeceo esta Parrochia no Terremoto de mil setecentos, e sincoenta e sinco ruina

alguma, nem armas, habitaçoens do seu destricto; e pellos confins da mesma pella

parte do Sul passa a Ribeyra de Caya que divide o termo de Arronches e de Elvaz, e se

vai meter em Guadiana entre Elvaz cidade deste Reyno, e Badajos cidade do Reyno de

Castella.

E nada mais do que se inclue nos interrogatorios se pode dizer, que pertença ao

destricto desta freguezia, de que para constar me asignei Lameyra 8 de Abril de 1758.

O Parrocho Francisco Xavier Borrinho [assinatura autógrafa]

 

Transcrição: Ofélia Sequeira

Mosteiros, 1758, Fevereiro, 15

Memória Paroquial da freguesia de Nossa Senhora dos Mosteiros, comarca Portalegre

[ANTT, Memórias Paroquiais, vol. 24, nº 233a, pp. 1707 a 1712]

 

/p. 1707/

Senhor

Observando as Reaes detreminaçoens como Leiz inviolaveis, em que me ordemna de á

execcuçaon os seguintes interrogatorios, que todos vem numerados, asim dando

resposta a elles pellos seus numeros respondendo tam somente pello que toca aos

lemites da freguezia, em que sou Parrocho cuja se chama Nossa Senhora dos

Mosteyros sita no termo de Arronches deste Bisppado de Portalegre.

Primeyro interrogatorio

Digo que a sobredita freguezia estava Provincia do Alentejo termo da Villa de

Arronches Bisppado de Portalegre, que pertence á Comarca da mesma cidade cuja

freguezia he sufragama á Igreja collegiada Matris de Arronches por ser sua filial.

Segundo interrogatorio

Digo que tal freguezia de pertencente ao Excellentissimo Senhor Bispo de Portalegre

por ser Senhor delle e por sua authoridade a preve, por pertencer ao ordinario desde a

sua crecçam.

Terceyro interrogatorio

Declaro ter a dita freguezia trinta e sinco erdades, que com os mais habitadores fazem

a soma de sincoenta e outo fogos, e pessoas de hum, e outro sexo tem duzentas, e

noventa e sete.

Quarto interrogatorio

Declaro, que sobredicta freguezia esta situada em monte nam munto elevado, e do

dito monte se nam descobre terra alguma por medearem de per meyo alguns//

/p. 1708/

Alguns outeyros, cuja freguezia dista da Villa de Arronches huma legoa.

Quinto interrogatorio

Digo que a ditta freguezia, e seus lemites he pertencente a Villa de Arronches por ser

do termo, que pertence a ditta Villa, e nam comprehende lugar, nem aldeya.

Sexto interrogatorio

Declaro que a tal Parrochia está fora da Villa de Arronches e nam tem dentro lugar,

nem aldeya como ja retro se faz mençam.

Setimo interrogatorio

Digo que o orago da sobredicta freguezia he Nossa Senhora dos Mosteyros cuja

denominaçam lhe veyo por ter havido munto antigamente, o que se consta por

tradiçam naquelle sitio dous conventos hum de freyras, e outro dos Templarios de

cujos senaõ deviza se nam alguns vestigios subterraneos como sam alicerses e a

algumas sepulturas de onde nasce chamarse a sobredicta freguezia dos Mosteyroz

cujo tem tres altares a saber a Capella mór que he aonde a Senhora dos Monteyros

collocada como orago da ditta Igreja e tem mais dous altares collateraeso da parte

esquerda aonde está, collocada, almas de Sancto Antonio, e outro da parte dereyta

aonde esta collocada a Imagem de Sam Miguel e naõ tem Irmandades só sim alguns

annos por devotos festejam as ditas Imagens os freguezes da dita freguezia e a ditta

Parrochia tem só huma nave.//

/p. 1709/

Outavo interrogatorio

Digo que o Parrocho da dita freguezia he anual tem sam somente a nomeaçam de

cura, e he da aprezentaçam do Excellentissimo Bispo de Portalegre e tem o dito cura

pello curativo tam somente tres moyos de trigo, que os freguezes pagaõ á sua custa

por elles asim o requerem em rezam da distancia, em que se acha a Parrochia

principal.

E dos interrogatorios nono, decimo, undecimo, duodecimo nada se comprehende nos

lemites da freguezia.

Interrogatorio decimo tercio

Digo que dentro dos lemites da ditta friguezia está huma ermida chamada de Sam

Bento, que fabricou o zello, e pia devoçam dos devotos com as suas esmollas que

tambem pertence ao ordinario, e tem seu Eremitam que vive do amor de Deos

Asim ha mais huma capella particular na herdade da Venda com o titulo de Nossa

Senhora da Conceyçam no destricto da mesma aonde algumas vezes se celebra missa

para comodidade dos creados do senhorio da mesma.

Interrogatorio decimo quarto

Digo que na dita ermida de Sam Bento se faz pellas outavas da festa ao Divino Espirito

Sancto alguns annos sua festa de sermaõ, e missa cantada nacida da pia devoçam e

seus devotos que comcorrem com as suas esmollas aonde vai munta gente de

romagem tam somente neste dia.

Interrogatorio decimo quinto

Digo que o fructo que seus habitadores, tem he munta bolota, e landem por estar todo

o destricto sercado do arvoredo de azinho e sovaro em que se em//

/p. 1710/

E sovaro em que se emgordam muntos porcos e tambem suas creaçoens do mais gado

asim fes como ovelhas e cabras, e tambem recolhem trigo e senteyo porem com

menor abundancia.

Os interrogatorios dezaseis, dezasete, dezoyto, dezanove, e vinte nada se

comprehende.

Interrogatorio vigesimo primo

Digo que a dita freguezia dista da cidade de Portalegre capital tres legoas, e da corte, e

cidade de Lisboa capital do Reyno dista trinta legoas.

Os interrogatorios vinte e dous, vinte e tres, vinte e quatro e vinte e sinco nada se

comprehende nos lemites da dita freguezia.

Interrogatorio vigessimo sexto

Digo que no terremoto de mil setecentos e sincoenta e sinco naõ padeceo ruina a

Parrochia, nem o seu circuito.

Sobre o particular da Serra os que de seus interrogatorios se proccura saber nada se

comprehende dentro dos lemites da dita freguezia.

Ribeira - e o mesmo sobre a materia de Rio pello nam haver só sim pello[s] lemites da

dita freguezia passam duas ribeyras huma chamada a Ribeyra de Arronches que passa

pello meyo do destricto junto da mesma freguezia.

E outra chamada a Ribeyra de Caya; que passa pello comfim da mesma cujas tem seus

nacimentos na serra de Portalegre; a Ribeyra de Arronches a chamada acaba juncto á

mesma Villa por se meter na Ribeyra//

/p. 1711/

Na Ribeyra de Caya, que esta vai meterse em Guadianna.

E tambem na Ribeyra de Arronches, que passa pello destricto da mesma freguezia há

hum pizaõ e huma azenha e sete moinhos, e tem esta ornadas as suas margens de suas

quintas abundantes de fructos.

E nada mais se contem dentro dos lemites da ditta freguezia he do que posso

emformar e por verdade me asigney Mosteyros hoje quinze de Fevereyro de 1758

O Parrocho de Nossa Senhora dos Mosteyros

O Bacharel Joseph Dias Arronches [assinatura autógrafa]

 

Transcrição: Ofélia Sequeira

Monte Virgem, 1758

Memória Paroquial da freguesia de Monte Virgem, comarca de Évora

[ANTT, Memórias Paroquiais, vol. 24, nº 208, pp. 1551 a 1554]

 

 

/p. 1551/

N. 208

Exceleticimo e Reverendessemo Senhor obedecendoce ao mandado de Vossa

Excelencia, o que tenho que responder sobre os emterogatorios he ó seguinte.

1) Está esta freguezia de Nossa Senhora de Monte Virgem situada e o meio de a

Serra Dossa termo da Villa do Redondo Bispado de Evora Comarca da mesma

cidade.

2) He esta freguezia aprezentada pello Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Arcebispo de Evora.

3) Tem esta freguezia sincoenta e sete vezenhos e trazentas e seis pessoas.

4) Está esta freguezia em o meio de huma serra junto ao Comvento dos frades

Paulistas da Serra de Osa de cobres e da dita freguezia a Villa do Redondo e a

Villa de Monsaras.

5) Nada.

6) Está esta freguezia fora da Villa do Redondo tem huma aldea xamada de

Pumares.

7) O seu orago he Nossa Senhora de Monte Virge [m] tem tres altares, o altar mor

he de Nossa Senhora de Monte Virge [m] ao dos coletrais hum he do Santo

nome de Jesus e o outro da Senhora do Rozario tem esta Igreja só huma nave

tem duas Hérmandades huma do Santo nome e outra da Senhora do Rozario.

8) Tem esta freguezia cura tem de renda tres moyos de pam.

9) Nada.

10) Nada.

11) Nada.

12) Nada.

13) Nada.

14) Veem de romage [sic] a Nossa Senhora de Monte Virgo [em] muitas pessoas

pellos Sabados da Coresma [sic].

15) Os frutos que os moradores colhem em mayor abundancia he trigo santeio [sic]

e sevada.

16) Nada.

17) Nada.

18) Nada.

19) Nada.

20) Nada//

/p.1552/

21) Nada.

22) Nada.

23) Estam na freguezia duas fontes que as suas aguas tem especial vertude huma

destas para dor de pedra e outra pera tirar fastio.

24) Nada.

25) Nada.

26) Nada.

27) Nada.

O que se precura da Serra e o que tenho que responder he o seguinte:

1) Chamase esta sorte a Serra Dossa [sic].

2) Tem quatro legoas de comprimento e huma de largura principia junto a esta de

Trena a parte do Nasente acaba em Evoramonte entre o Norte e e o Poente.

3) Tem esta Serra tres brasos a Serra do Castello Velho ao Nasentee Serra Dosa

[sic] no meio como cabesa e a Serra das Cortes em o Poente.

4) Dividemse desta Serra dois Rios hum chamado Lusafese que cor[r]e a parte do

Nasente fenese em o Rio Guadianna outro xamado a Ribeira de Ter que fenese

em o Rio Tejo sam abundates de pexes e as que teem em maior abundancia

sam pardelhas.

5) Dentro desta Serra esta a Villa do Canal e ao redor está a Villa de Estremos que

dista duas legoas para a parte do Norte, Borba e Villa Visoza que dista duas

legoas para a parte do Nasente; a Villa de Landroal que distas [sic] meya legoa

para a parte do Sul, a Villa do Redondo que dista huma legoa ao Leste.

6) As fostas [sic] que ha de propriedades sam as referidas.

7) Nada.

8) Ha em esta Serra varias hervas medisinaissaragosena erva alcar, aruda, cardo

santo cardoarzol, era da terra, marcella peyonia, oregos, orelha de lebre, erva

turca, afetorial, algabam, alfavaca, da cobra e outras muitas que se naõ podem

narrar por se naõ saberem os nomes.

9) Ha em esta Serra hum Mosteiro de frades Paulistas e huma Hermida de Sam

Gens e duas freguezias.

10) He esta Serra pera a parte do Poente quinto e pera a parte do Norte desnuada

e fria.

11) Ha nesta terra poucas criasois [sic] de gados e pouca casa [sic].//

/p. 1553/

12) Nada.

13) Ha em esta Serra varios jardins e algumas abitasoins de monges e se teem

achado muitos osos de monges que morreram santos o que melhor constara na

primeira parte da cronica dos Eremitas da Serra Dossa [sic] na sua geneologia e

hua noticia que pos0 dar sobre os enterrogatorios

Do Parroco de Nossa Senhora de Monte Virge[m]

O Padre Joze Rozado Vidigal [assinatura autógrafa]

 

Transcrição: Ofélia Sequeira


http://www.seo.mavi1.org http://www.mavi1.org http://www.siyamiozkan.com.tr http://www.mavideniz1.org http://www.mavideniz.gen.tr http://www.17search17.com http://www.siyamiozkan.com http://www.vergi.gen.tr http://www.prsorgu.org http://www.seoisko.net http://www.seoisko.org http://www.ukashhizmet.com http://www.ukashmavi.com http://www.sirabulucu.net http://www.kanuntr.com http://www.kanuntr.org http://www.kanuntr.net http://www.kananlartr.com http://www.kananlartr.org http://www.kananlartr.net http://www.haberbul.org http://www.iskoseo.com http://www.iskoseo.net http://www.iskoseo.org http://www.siyamiozkan.net