Memórias Paroquiais

  • Aumentar o tamanho da fonte
  • Tamanho padrão da fonte
  • Diminuir tamanho da fonte
Início
Pesquisar
Um total de 206 resultado(s) encontrado(s).
Etiqueta: Memória Completa
  • Memórias Paroquiais (206)

 

Nossa Senhora da Conceição, 1758, Maio, 6

Memória Paroquial da freguesia de Nª Sª da Conceição, Comarca de Vila Viçosa

[ANTT, Memórias Paroquiais, vol. 40, nº 271, pp. 1657 a 1664]

 

 

/p. 1657/

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor de Vila Viçoza Conceição Matriz

Recebi a ordem circular de Vossa Excelencia e Reverendissima com hûa minuta

impreça para na forma da ordem de Magestade expedida pela Secretaria de Estado

dos Negocios do Reino informar varios quezitos contheudos na mesma minuta, e em

observancia da ordem do mesmo Senhor e da de Vossa Excelencia Reverendissima que

ambas cordealmente dezejo inteyramente executar nas seguintes respostas direy

quanto pude descubrir na diligencia que me foy possivel fazer no pouco tempo que me

deyxou vago este meu meu assaz laboriozo emprego.

Ao 1º - He esta Villa Viçoza da Provincia do Alentejo do Arcebispado de Evora, e

Cabeça de Comarca.

Ao 2º - He de Serenissima Caza de Bargança que hoje administra a nossa amabilissima

Princeza a Senhora Dona Maria, Francisca, Izabel ,Jozefa, Antonia, Getrudes, Ritta,

Joanna tambem degnissima Princeza do Brazil, e Duqueza de Bargança Senhora Nossa,

a quem Deos Nosso Senhor prospere muitos annos de vida para consolaçaõ dos seus

portuguezes.

Ao 3º - Rezervando para o Reverendo Prior da freguezia de São Bartholomeu

apresente que lhe pertence desta Villa; tem esta minha Parochia, segundo consta do

meu rol da confiçaõ quinhentos, e secenta, e sinco fogos: a saber quatro centos e

quatro dentro da Villa, e cento e doze no campo, e quarenta e nove que contem a

cidadella do Castello; e entodos [sic] se contaõ mil sepcentas, sincoenta, e huma

pessoas de sacramento.

Ao 4º - Está esta Villa situada em hũ val que comprehende a mayor parte da povoaçaõ,

e em dous montes, hũ que lhe fica da parte do Poente, e outro ao Nascente, e deste se

descobre Villa Boim, que dista tres legoas, a Villa de Jeromenha a mesma destancia, e

de Olivença sinco legoas.

Ao 5º - Tem no seu termo a freguezia de Nossa Senhora das Siladas, São Romaõ, Santa

Catarina de Pardaes, e parte da aldea de Bemcatel, cuja freguezia que he de Santa

Anna pertence á Villa de Estremos, e o numero dos freguezes, e fogos daraõ conta os

seus Parochos, aos quaes, me consta, se lhe o intimou a mesma ordem.

Ao 6º - Está a Igreja desta Matriz edeficada na cidadela de Castelo desta Villa.

Ao 7º - He o seu orago a Sanctissima Virgem Senhora//

/p. 1658/

Da Conceyçaõ padroeyra deste Reino por ser jurada em Corte e elleyta como tal, pelo

Senhor Rey Dom Joaõ 4º da glorioza memoria no sesto anno do seu reynado com certo

fundo annual que lhe tributou e acrescentou a grande zelo, e devoçaõ do Senhor Rey

Dom Joaõ o 5º que lhe tem em gloria. Altares tem o altar mor, que he da mesma

Senhora e pela parte do Evangelho se segue a Cappella do Sanctissimo Sacramento,

que he muito primoroza fee dada com húa muito bemfeyta grande de ferro, a esta se

segue a Cappella de Sanctissima Trindade que tem Terceyraria e logo a Cappella do

Gloriozo São Joze espozo da Senhora. Da parte da Epistola a Cappella do Sancto nome

de Jezus e a esta se segue a do Princepe dos Appostolos, São Pedro e todas tem

confrades. He de tres naves que devidem quatro magestozas colunas por cada lado.

Confrarias. Tem as já dittas, e de mays a Confraria Real de Nossa Senhora da

Conceyçaõ que consta taõ somente de Juiz, Escrivaõ, e Thezoureyro ecclesiastico, que

saõ vitalicios, e elleytos por El Rey Nosso Senhor como proctetor daquela confraria.

Tem a mesma Senhora outra mays confraria chamada a dos Escravos, cuja meza se

compoem de doze da primeyra qualidade e tambem vitalicios. Tem a confraria do

Sanctissimo Sacramento, e dos livros antigos da mesma consta que todos os

Serenissimos Duques de Bargança sempre serviraõ ao Sanctissimo no emprego de Juiz

daquela confraria naõ permitido que outra alguã pessoa occupasse aquele cargo de

que tanto deprezavaõ; E na Caza do Despacho da mesma confraria se acha ainda de

prezente hũ letreyro com letras douradas em hũa bemfeyta targe que diz “O Duque de

Bargança Proctetor da Caza de Nossa Senhora”.

Ao 8º - He o seu orago digo he o seu Parocho Prior, he da apprezentaçaõ de Sua

Magestade como governador, e perpetuo administrador que he do Mestrado, e Ordem

de São Bento de Aviz, he cabeça de Comenda, e entrou na Ordem na era de 1335 anno

de//

/p. 1659/

Anno do nascimento de Christo 1297, sendo Gram Mestre da Ordem Dom Frey

Lourenço Affonso, a quem, e a toda ordem fez merce remuneratoria in perpetuum El

Rey Dom Diniz com sua espoza a Senhora Sancta Izabel e Infantes seus filhos Dom

Affonso, e Dona Constança em cortes celebradas na Villa de Santarem em dous do mez

de Mayo do refferido anno, em cuja remuneratoria doaçaõ deu á Ordem todo a

dereyto, Padroado da Igreja desta Matriz com todas as mays fundadas no termo desta

Villa como dentro da mesma, e que se fundassem pelos tempos, e annos vindouros,

como tudo consta do instromento authentico, que se conserva no Cartorio desta

Igreja, extrahido do livro 2º das Doaçoes de El Rey Dom Diniz, que está no primeyro

armario da Caza da Coroa fl. 133 na Torre do Tombo da Corte, e Cidade de Lisboa.

Ao 9º - Tem dous benefficiados curados coadjutores, que ambos saõ tambem freyres

da mesma ordem, e da mesma apprezentaçaõ que o Prior.

Ao 10º - Tem esta Villa seys Conventos, trez de religiozos, e trez de religiozas. Tem

mays Caza Profeça dos Padres da Companhia de Jezuz fundada pelo ardentissimo e

catholico zelo do Serenissimo Senhor Dom Theodozio Duque da Bargança, e o mays

que aqui pertence dirá o Reverendo Prior da Igreja de São Bartholomeu por estar esta

regia caza no destricto da sua Parochia, os que nesta minha se achaõ ao prezente he o

Convento dos Eremitas Calçados de Santo Agostinho, cuja cappella mor, e cruzeyro

daquela magnifica Igreja, he do Padroado dos Serenissimos Duques de Bargança que

se diz fundaram, huma e outra couza; na cappella mor se achaõ seys lustrozos

cllausoleos de finissima pedra, trez por cada hú dos lados; e dous no mesmo cruzeyro

com a mesma forma, e pedra, e todos jazigos dos referidos Serenissimos Senhores. He

mays o Convento dos Religiozos de São Francisco da Provincia da Piedade, que

tambem foy fundado pelos mesmos Serenissimos Senhores Duques Padroeyros. Tem

mays o Convento de Nossa Senhora da Esperança das Religiozas de São Francisco,

Provincia de Xabregas que foy fundaçaõ do Serenissimo Senhor Duque Dom Theodozio

e Serenissima Senhora Duqueza Dona Izabel seus Padroeyros Prior de São

Bartholomeu por estarem cituados no destricto da sua Parochia.

Do undecimo//

/p.1660/

E 12º dará conta o mesmo Reverendo Prior pela mesma rezaõ ditta.

Ao 13º - Tem esta Matriz anexas as Irmidas seguintes: dentro da Villa a de Nossa

Senhora dos Remedios, Sancto Antonio, com a Terceyraria de Nossa Senhora do Carmo

muyto numeroza, e crescido zelo nos que administram e grande devoçaõ dos fieis

desta Senhora que inclua mayor parte dos fieis deste povo; foy esta Irmida fundada e

dedicada ao Gloriozo Portuguez pelo Serinissimo Senhor Dom Joaõ Duque de

Bargança. A Irmida do Gloriozo Martir São Sebastiaõ com a confraria e altar de Nossa

Senhora com o titolo da Saude e outro altar mays de Santo Amaro. A Irmida da Santa

Luzia, que dá nome aquela rua, em que se acha, com o altar coletral de Nossa Senhora

da Estrela da parte do Evangelho, e do da Epistolla, o altar de São Caetano, e ambas

estas Imagens com particular, e notoria devoçaõ dos fieis desta Villa. Desta Irmida he

Padroeyro Thome Joze de Souza e Britto mosso fidalgo da Caza de Sua Magestade

professo na Ordem de Christo, e Comendador das Comendas de Santa Marinha de Rio

de Farregozo, Sancta Maria de Antime, e Sancta Eulalia de Palmeyra de Faro e Alcayde

mor da Villa de Borba, tudo de Serenissima Caza de Bargança de cujos Serenissimos

Senhores Duques foraõ creados particulares os ascendentes deste Illustre Cavalheyro,

como bem, se mostra naõ só na conservaõ das refferidas Comendas, que sempre

pussuiraõ, mas tambem na graça que lhe ancederaõ imperpetuum no estatuto, que

deyxaraõ aos muzicos da sua cappella, ordenando, que estes no dia da Glorioza Sancta

assistissem e solemnizassem [sic] a festa da mesma, havendoos por prezentes na

obrigaçaõ do choro, da mesma Duqual Cappella desta Villa. Fora da Villa a Irmida da

Nossa Senhora do Paraizo; A de Nossa Senhora das Mercez, a do Senhor São Jozé

espozo da Sanctissima Virgem. A de São Joaõ Baptista, a do Patriarcha São Bento com

seys altares coletraes. A do Appostolo Santiago com trez. A do Appostolo Santo Andre.

A de São Marcos, São Domingos, São Jeronymo, Sancto Eustachio, São Luis Reis de

França, e Santo Ildefonso, e desta he P[ad]roeyro dos Lucenas, que foraõ secretarios

de Estado dos Serenissimos Senhores Duques de Bargança, ultimamente do Senhor

Rey Dom Joaõ//

/p. 1601/

O Joaõ o 4º da glorioza memoria, e Redemptor [sic] da Liberdade Portugueza.

Ao 14º - Bem notorio he que Deos Nosso Senhor para glorificar sua Sanctissima may no

preclarissimo titolo da sua Immaculada Conceyçaõ em sua Imagem orago desta Matriz,

tem obrado pela mesma Senhora tantos milagres, que excede ao numero de todo o

algarismo, e de tempo que tambem excede á memoria dos homens. E que em

gratificaçaõ das merces recebidas, saõ em todo o tempo do anno os romeyros em

tanta confluencia, que em muytos dias, e em especial nos do Sabbado he tal o

concurso, e ajuntamento dos fieis devottos, que naõ cabem naquele magestozo,

magnifico Templo da mesma Senhora, como eu testefico ver, e prezenciar como Prior

da Igreja, vindo a ella, naõ só romeyros de todas esta Provincia, mas tambem fora da

mesma e ainda, do Reyno de Hespanha.

Ao 15º - Azeyte, vinho, e frutas saõ os frutos de mayor colheta nesta Villa, e dos mays

naõ colhe o suficiente, mas de todos he bem secorrida das mays terras, que os

produzem por acharem nella bom consumo, e por bom presso pera os intereces dos

vendedores.

Ao 16º - He cabeça de Comarca com Ouvidor, e Juiz de Fora nomeados pela Santa da

Serenissima Caza de Bargança.

Ao 18º - Dos Horoes [sic] que floreceram nas letras, ha noticia do Excelentissimo

Senhor Dom Theotonio de Bargança, e Dom Alexandre ambos Meretissimos e

Arcebispos deste Arcebispado de Evora e ambos tambem filhos dos Serenissimos

Senhores Duques de Bargança. Tambem se diz que foy natural desta Villa o infelis

Doctor Antonio Hómem que deu nome a humas das ruas desta mesma Villa, que

ahinda hoje o conserva e melhor, e mays digno de se lhe abolir. Nas armas; o

Serenissimo Senhor Infante Dom Duarte, em cujas acçoes me naõ demoro, por se

acharem escriptas por milhores penas que as tractáraõ; como tambem de outros

muytos que se veraõ nos autores que fazem larga mensaõ e refferem as gloriozas

acçoes daqueles famozos Heróes. Excelentissimo Conde das Galveas André de Mello,

do nosso tempo que depoys de ter occupado a dignidade de Deaõ da Cappella Duqual

desta Villa por varios annos servio em muytos á Magestade de El Rey Dom Joaõ 5º de

seu Embaxador ao Papa na Corte de Roma e depoys desta expediçaõ que exerceo com

aquela gloria, que se podia esperar do seu grande//

/p. 1662/

Talento e esplendor portuguez foy servir á mesma Magestade por muytos annos no

laboriozo governo dos Brazies. Entre as muytas vertudes em que floreceo este Heróe

foy huma grande e espicial devoçaõ á devotta Imagem que se venera nesta Matriz

como titolo de Nossa Senhora da Conceyçaõ Padroeyra deste Reyno, e em

demonstraçaõ do seu grande affecto, lhe offertou duas Coroas de ouro fino, que da

Corte de Roma enviou hũa para a Senhora, e outra para o Minino Deos, que a Senhora

tem nos braços. Depoys que dos Estados da America se recolheo a este Reyno fez

tambem offerta á mesma Senhora de huma joya de ouro cravada de varias pedras

preciozas, que se avalia no melhor de sinco mil cruzados, e no testamento com que

faleceo instituhio huma cappella de missa quotediana no altar da mesma Senhora. He

bem sabido o grande zelo portuguez com que tem servido, e serve no Estado do Brazil

e Minas o famozo Gomes Freyre, e na mesma forma Manoel Freyre de Andrade actual

Governador das Armas da Provincia da Beyra.

Ao 19º - Tem esta Villa trez feyras no anno, e todas francas trez dias, que saõ 29, 30 e

31 de Janeyro, e os mesmos de Mayo, e Agosto.

Ao 20º - Tem correyo todas as semanas, que entra na quinta feyra de tarde, e sahe no

sabbado de menham.

Ao 21º - Dista esta Villa da cidade de Evora capital deste Arcebispado oyto legoas, e

vinte sinco da Corte, e cidade de Lisboa capital deste Reyno.

Ao 22º - Conserva os grandes privelegios concedidos á Serenissima Caza de Bargança.

Ao 25º - He esta Villa toda murada com muralha que só poderá impedir cavalaria; tem

porem hum fortissimo, e inexpugnavel Castello, por ser feyto com tal arte de fastos,

rebalins, estacadas, e estradas encubertas que puderá rezistir por muyto tempo ao

mays forsozo citio e combatte, reforsandosse mays com a cidadela que ja disse no 1º e

3º que he toda murada de hum bom e forte muro com suas torres antigas, e boluartes

modernos.

Ao 26º - No terremotto do primeyro de Novembro do anno de 1755 só//

/p. 1663/

Padeceo, nesta o estrago da sua violencia a Caza de Deos; como foy a Igreja de Nossa

Senhora da Conceyçaõ Padroeyra, e Matriz com a ruina da mayor parte da abobada da

nave do meyo, que cahio frindo quarenta pessoas das quaes escaparam da morte

nove, e as 31, quatro sem o secorro dos sacramentos por ficarem de baxo de entulho,

dous mininos de pouco mais de hum anno cada hum, e ás mays se lhes administrou o

sacramento e absolviçaõ,e sacramento da extremaunçaõ. A referida ruina se acha

ainda no mesmo estado com geral desconsolaçaõ, naõ só de todo este povo, mas

tambem dos mays devotos da Senhora, que he inteyramente toda a Provincia, e fora

della como se disse. Padeceo a Igreja das Religiozas de Santa Monica e sendo essás

pobres, com muita brevidade, e louvavel zelo a reparáraõ inteyramente. Padeceo

tambem a Igreja dos Religiozos e São Francisco da Provincia da Piedade que tambem

com a sua louvavel pobreza lhe acudiram logo e reparáraõ. Padeceo a Igreja e

Convento dos Religiozos de São Paulo 1º Eremitta, e se acha no mesmo estado; como

tambem o zimborio dos religiozos de Santo Agostinho, com algum damno no Convento

espicialmente a Sanchristia e Caza que medea entre esta, da Igreja que huma, e outra

se acha especada. Para evitar qualquer damno, que compradencia se receya.

Aos mays interrogatorios naõ tenho que dizer por senaõ comprehenderem no districto

desta minha Parochia.

Vila Viçosa de Mayo 6 de 1758

O Padre Cura Andre Lopes de Andrade [assinatura autógrafa]

 

 

Transcrição: Ofélia Sequeira

 

Arez, 1758, Abril, 28

Memória Paroquial da freguesia de Arez, comarca de Portalegre

[ANTT, Memórias Paroquiais, Vol. 4, nº 68, pp. 403-407]

/p. 407/[1] O que posso informár sobre os interrogatorios que Sua Magestade foy servido remeter a Vossa Excelencia a respeito do que se procura saber désta villa de Aréz respondo a cada interrogatorio pellos seus numeros, o que achey hé da forma seguinte.

1[2] Fica esta villa de Aréz em a provincia de Alemtejo no bispádo e comarqua de Portalegre hé uma só freguezia sem pertencer a outra alguma, e tem termo seu.

2 Hé del Rey.

3 Tem oitenta vezinhos os quáis constam de cento e noventa e duas pessoas mayores, trinta e quatro menores e sincoenta e dous ennocentes.

4 Está situáda em hum pequeno alto do qual se nam descóbre povoaçám alguma.

5 O termo hé seu e nam comprehende lugar nem aldeya alguma.

6 A paroquia esta fóra da villa porem chegáda ás ruas da mesma de sorte que algumas acabam ao pé da igreja e nam tem a fréguezia lugar ou aldeya que lhe pertençe.

7 O seu orágo hé Nossa Senhora da Gráça, tem tres altares, o mór em que esta o Santíssimo Sacramentto e a imágem da ditta senhora e a de Sam Joam Baptista. Dous collaterais, o da parte do Envagelho, hé da Senhora do Rozário e nelle está a imagem da mesma senhora, mais outra imagem da senhora com o titúlo dos Remedios, e outra do gloriozo martir Santto Sebastião. O da partte da Epístolla tem tres imágens huma do glorio Apóstollo Sam Pedro, outra do gloriozo Sam Francisco, e da outra da glorioza Santa Luzia, este altar tem o titúllo das Almas porem he ornado do que preciza pella Confraria do Santíssimo Sacramento. Tem tres Irmandades, huma da Confraria do Santíssimo Sacramento, outra da Confraria da Senhora do Rozário e outra da Confraria das Almas, as quáis cada huma he admenistrada por hum reytor, escrivam thezoureyro, e dous mordomos que todos os annos sam eleyttos e servem os que /p. 404/ os que[3] sahem a máis vottos. Nam tem návez.

8 O párocho hé vigário, freyre professo da milittár Ordem de Christo aprezentado a el Rey Nosso Senhor como Gram méstre que hé das tres ordens militares e as suas provezoens se lhe expédem do Tribunal da Mesa da Conscia e Ordens e afirmadas pello ditto senhor. Tem de renda em cada hum anno dous moyos de trigo vinte mil réis em dinheyro sincoenta e dous almudes de vinho, e vinte e quatro arratéis de cera fina obráda com obrigaçam de dar meyo anno cera para as funçoins da igreja pertencentes ao parocho.

9 Nam tem benefficiados e somente tem hum thezoureyro clérigo in minoribus digo clérigo do habitto de Sam Pedro aprezentado pello Tribunal da Meza da Conscia e Ordens e tem de renda em cada hum anno hum moyo de trigo, seis alqueyres, vinte seis almudes de vinho com obrigaçam de dar vinho e hostias para as missas que se dizem na igreja, tem máis vinte e quatro arratéis de cera fina com obrigaçam de dar meio anno a cera que se gastár nas missas e máis funçoins da igreja tem sam tem mais seis mil reis em dinheyro por ensinár a doutrina christam tem mais seis tostoins por hir buscár os santos oleos a cidade de Porttalegre, e hum cruzado e dous arrateis de sabam para a lavágem da roupa da Igreja e mais hum arratel de incenço para as funçoins da mesma igreja.

10 Nam tem convento algum.

11 Nam tem hospital e somente huma caza térrea a que chamam Hospital mas nam tem camas nem paramento algum, e na ditta caza se acomodam alguns pobres passajeyros porem sustentance das esmollas que os fiéis christoens lhe dam e de algumas que lhe dá a Irmandade da Mizericordia de quem sam as dittas cazas. Nam tem admenistrador nem renda alguma.

12 Tem Irmandade da Mizericordia erétta na Ermida do Divino Espiritto Santto porem nam se sabe qual foy a sua origem por nam haver livros antigos, que prereceram como tambem os da igreja quando o inimigo invadio este reyno, e entrou em esta villa o anno de mil, septecentos, e quatro, e dos livros que há desde esse tempo a esta parte nam consta couza alguma e tem a ditta Mizericordia de renda annual reportados huns annos por outros quatorze mil réis e em qualquér destas couzas nam há couza notável.

13 Tem duas ermidas huma do Divino Espiritto Santo em a qual faley no interrogatorio assima próximo e tem tres altares. O princ[4] /p. 405/ o principal tem a imagem do mesmo Divino Espiritto Santto e o da parte do Envagelho tem a imagem do gloriozo Santo Amaro e o da parte da Epistola tem a imagem do Senhor Crucificado e está a dita ermida com as porttas dentro da villa e hé admenistrada pello provedor e mais irmãos da Mizericordia. Tem outra ermida do gloriozo Santo António que dista desta villa hum quarto de légoa e tem somente hum altár com a imágem do mesmo santto e hé admenistrada por hum reytor, escrivam thezoureyro e dous mordomos que todos os annos se elegem.

14 Nam tem romagens em dias certtos mas alguns devotos em dias incerttos lhe vam fazer romarias.

15 Os moradores desta villa os fruttos que recolhem hé de centeyo com alguma abundancia, trigo, vinho e azeyte destes tres frutos pouco.

16 Tem dous juízes ordinários, e camera que consta de dous vereadores hum procurador e escrivam da camera, e nam tem sujeiçam de outra terra.

17 Nam há que dizer a este.

18 Nam há memória do em este se refere e só sahio desta terra o Doutor Miguel Loppes Caldeyra Artur attual provedor da comarqua de Evora com beca de dezembargador.

19 Nam há que dizer a este.

20 Nam tem correyo, e se serve pello estafetta da vila de Niza que dista desta huma légoa e vay levar as carttas desde a cidade de Porttalegre que dista seis légoas de huma e outra villa e as torna a ir búscar no Sábado e he no Domingo com ellas.

21 Fica esta villa distante da cidade de Porttalegre, cappittal do bispádo seis légoas e da de Lisboa cappital do reyno trinta e huma légoas.

22 Nam ha privilégios nem anteguidades nem couzas dignas de memória.

23 Nam há que dizer a este.

24 Nem a este.

25º Nem a este, nem a vigessimo, seisto, nem septemo.

/p. 406/ Enquanto aos interrogatorios de serra nam tenho que informar pella nam haver no termo desta villa.

No que tóca aos interrogatorios de rios respondo pella ordem delles digo.

Rio Nam tem esta villa e seu termo rio notavel algum, somente passa pello seu termo huma pequena ribeyra chamada Figueiró que nasce no sítio da Mouréllia entre os termos de Alpalham, e Castillo de Vide e finda no rio Tejo em o sitio dos Oleyros entre os termos de Vila Flor e Amieyra.

2 Nam hé a ditta ribeyra caudeloza nem perimoza seca no veram.

3 Nam há que dizer a este.

4 Nem a este.

5 Hé a ditta ribeyra de curso quiétto, e nam experimenta arrebattáda só quando há alguma tempestade ou invernada grande.

6 Corre de nascente a poente.

7 Cria álguns peyxes meudos, que se costumam pescar lá à cana, chamados huns barbos, outros bordallos e outras pardelhas.

8 As pescarias se fazem por divertimento quando cada hum quer.

9 Sam livres as pescarias.

10 As margens da ribeyra se costumam lavrar e semear de pam e nam tem arvoredos.

11 Nam há que dizer a este.

12 Conserva sempre o mesmo nome.

13 Morre em o rio Tejo em o sitio já ditto em primeyro interrogatorio.

/p. 407/ 14 Nam há que dizer a éste.

15 Tem hum pontam de pás com os alicerces de pedra, em o sitio chamado da Nave no termo desta villa.

16 Na mesma ribeyra e termo da mesma villa está hum lagar de azeyte em o sitio chamado da Billa e dous moinhos, hum em o sitio chamado o Fundo do Valle Longo e outro em o sítio chamado da Vergieyra.

17 Nam há que dizer a este.

18 Hé livre o uzo das suas ágoas

19 Tem a ditta ribeyra de comprimento tres légoas pouco mais, ou menos passa em pouca distancia da villa de Niza, e dista desta um quarto de légoa.

20 Nam há que dizer a este.

E hé o que posso informar e dizer sobre os interrogatorios.

Aréz 28 de Abril de 1758[5]

O vigário Frei Paulo Braz Giraldes [Assinatura autógrafa]

Transcrição: Ana Leitão

Revisão: André Coelho


[1] É necessário marcar a mudança de página.

[2] Dado que o sinal de ordinário não aparece no original, deve ser retirado.

[3] Repetido no original. Este género de ocorrência no original deve ser registada em nota de rodapé.

[4] Tal como no original.

[5] Sublinhado no original.

Estrela, 1758
Memória Paroquial da freguesia de Estrela (freguesia suprimida), comarca de Beja
[ANTT, Memórias Paroquiais, Vol. 14, nº 98, pp. 677 a 680]

 


Em observância do preceito de V. Excelência Reverendíssima pela carta circular
que me foy notificada em 18 de Março de 1758 pelo Reverendo Manoel da Silva Borges
, escrivam da vigairaria da villa de Moura respondo aos interrogatórios nella insertos
pella forma seguinte:
Ao 1 que esta freguezia he Nossa Senhora da Estrella, termo da villa de Moura,
Arcebispado de Évora comarca da cidade de Beja.
Ao 2 que esta freguezia com todo o termo de Moura sam terras do Infantado e
pertencem ao sereníssimo Infante D. Pedro.
Ao 3 que esta freguezia tem trinta e sinco fogos, herdades com gente que nellas
habittam dezouto e seis que se não mora nellas, por estarem arruinadas. E tem pessoas
adultas duzentas e des e por velhas ou menores vinte e outo.
Ao 4 que está situada em outeyro e que della se descobrem a vila de Mourão,
que dista desta freguezia duas légoas e meya, a villa de Monsarás, que dista desta
freguezia três légoas e meya, o ronquam de Sua Magestade que Deos guarde, sitto na
freguezia de Sam Marcos do Campo termo da villa de Monsarás, que dista desta
freguezia huma légoa, a freguezia da Póvoa, termo da villa de Moura, que dista desta
freguezia huma légoa, o termo da villa de Portel. E perto desta igreja está hum alto que
descobre a ditta villa de Portel, que dista desta freguezia sinco légoas.
Ao 5 nada.
Ao 6 que a Paróchia está dentro da freguezia e tem junto a ella alguns vezinhos,
porque a principal parte consta de montes.
Ao 7 que o seu orago he Nossa Senhora da Estrella e tem (p. 677) quatro altares,
que sam o altar mor, onde estam Nossa Senhora da Estrella, a imagem de S. Pedro da
parte direita, a de Sam Joam Baptista da parte esquerda. Os collateraes, o da parte
direita Nossa Senhora do Rozário e o da esquerda Nossa Senhora do Carmo e outro de
Santo António. Não tem a igreja naves nem irmandade alguma confirmada senam a de
Sanctos (...) por devoção.
Ao 8 que o párocho he cura e da aprezentaçam do muito Excelentìssimo e
Reverendíssimo Senhor Arcebispo de Évora (...) o meu prelado e tem de renda três
moyos e (...) alqueires de trigo, para sua côngrua e sustento e para sua besta quarenta
alqueires de sevada.
Ao 9 nada.
Ao 10 nada.
Ao 11 nada.
Ao 12 nada.
Ao 13 nada.
Ao 14 nada.
Ao 15 que os frutos que nesta freguezia se recolhem sam trigo, sevada, senteyo e
mais meuças (?) mas (...) mais em abundância se colhe sam trigo, senteyo e sevada.
Ao 16 que esta freguezia nam tem juiz por estar subor(dina)da e sugeita ao juiz e
justiça do lugar da Póvoa termo de Moura.
Ao 17 nada.
Ao 18 nada.
Ao 19 nada (p. 678).
Ao 20 que nam tem esta freguezia correyo e se serve do correyo da villa de
Moura, que parte na quinta-feira e chega no sábado e dista esta freguezia da villa de
Moura duas légoas e meya.
Ao 21 que dista esta freguezia da cidade de Évora cabeça do Arcebispado, nove
légoas e de Lisboa, cabeça do Reyno vinte e seis e meya, a saber, vinte e três e meya por
terra em thé à Mouta e três por ágoa em thé à corte.
Ao 22 nada.
Ao 23 nada.
Ao 24 nada.
Ao 25 nada.
Ao 26 que esta igreja e algumas cazas desta freguezia padeceram algumas ruínas
de pouca concideração, mas ao prezente se acham redeeficadas.
Ao 27 nada.

 

Em os segundos e terceiros interrogatórios respondo em summa.
Que esta freguezia tem muitas fontes nativas de boas ágoas, mas nam se lhes
sabe de especial virtude.
E que o ryo de Guadianna que passa junto desta freguezia menos de hum
qoarto de légoa, se tem observado que as suas ágoas sam digiritivas e boas para
conservar a saúde e fazem appetência de comer e que nos mezes de Junho, Julho e
Agosto tomam algumas pessoas banhos mandados applicar pelos médicos, com que
experimentam saúde (p. 679) nos seos males. Neste ryo se criam muitos peixes como
sam barbos, heirozes, bogas, bordallos, (...)1 e outros mais. Aqui entra neste ryo (...) a
rybeira de Alcarrache, que nasce em (...), villa de Castella, bispado de Badajoz (...) nove
légoas pouco mais ou menos, donde nasce thé que fenece neste ditto ryo, nesta
freguezia. Como também o Zebro, que nasce junto do (...) Carapetal, sito no lugar de
Amareleja, termo de Moura, perto de Estepa (?) que fenece neste ryo Guadianna, meya
légoa desta freguezia. E terá de comprimento duas légoas e meya mas só de Inverno
corre e nam he ágoa nativa, porém tem muitos pegos que conservam ágoa todo o anno.
Também esta freguezia tem muitos montados (que) emgordam mais de
novecentos enthé mil (...) porcos de vara, pouco mais ou menos (fora as corridas (...)). E
nas suas terras se criam muitos gados, como são gado vaccum, porcos, ovelhas e há
também por aqui porcos javardos, lobos, gamos, zorras, (per)dizes, coelhos, lebres em
abundância.

 

He o que posso informar a Vossa Excelência Reverendíssima, que Deos guarde
muitos annos. Estrella, 13 de (...) de 1758.

 

De Vossa Excelência Reverendíssima
O mais humilde e reverente subordinado
O P. Thomé Gomes Es(barra).

 

 

 

Transcrição: Marta Cristina Relvas Janeiro Páscoa

 

in PÁSCOA, Marta Cristina Relvas Janeiro, Memórias Paroquiais da vila de Moura e
seu termo. Moura, Câmara Municipal de Moura, 2002, pp. 28-30.

Santa Ana de Bencatel
Vila Viçosa
[1758]
Memória Paroquial da freguesia de Santa Ana de Bencatel, concelho de
Estremoz, distrito de Évora.
(ANTT, Memórias Paroquiais, Vol. 7, nº 3, pp. 729 - 730.)
/p. 729/
N.3.
Freguezia de santa Anna de Bencatel termo Estremoz1
termo de Estremos, Arçebispado de
Evora.
Esta freguezia não só he do Arçe
bispado de Evora; mas tambem da mesma comarca
e a sua aprezentação pertençe ao exelentissimo senhor Arçebispo;
mas paga o paroco della, cada anno, quatrocentos
reis ao senhor doutor juis da ordem de Estremos;
a que se chama a reconheçenssa.
Está situada a igreja parochial
em hum monte não muito alto, e dele não se descobre
mais, que huma pequena parte da villa do Redondo: comfinna
com o termo da villa do Alandroal, e no mesmo
termo tem muitos freguezes: dista da mesma villa, meya
legoa: dista da villa do Redondo legoa, e meya: dista de
Villa Viçoza huma legoa, e no seu termo tem a mayor
parte dos freguezes: dista da villa de Estremos mais de
duas legoas: dista da villa de Borba legoa, e meya.
No termo de Villa Viçosa tem huma
aldeya chamada de Bencatel, a qual com seus
çircumvezinhos, tem setenta, e sinco fógos, em dis-
1 Letra diferente, poderá não ser da mesma época, visto Estremoz está escrito com Z e no restante texto
aparece com S.
tançia de meya legoa da mesma villa.
E ao prezente, toda a freguezia, tem
çento, e setenta, e dous fogos, entretando os da aldeya
supradicta: tem pessoas de confissão, entrando mayores,
e menores, trezentas, e trinta; a deste numero,
digo, quinhentas, e trinta.2
são setenta, e sete menores; que são os que ainda
não reçebem o sacramento da sagrada eucharistia.
O orâgo desta freguezia he
a senhora Santa Anna; tem a igreja parochial quatro
altares: no altar mayor tem a imagem da senhora Santa
Anna; de S. João Baptista, e de Santo Antonio: nos dous
colateraes, tem no lado esquerdo a imagem do senhor Jesus,
e no do lado direito a imagem da senhora do Rozario: tem
mais o altar da almas, sem correspondençia de outro,
e este altar fica da parte do lado direito: não tem naves;
por ser muito pequena.
/p. 730/
Esta freguezia está situada parte
della em campos, e parte em montes; mas pouco asperoso
todos fructiferos; especialmente de çenteyo, pois a mayor
parte della he terra de estevâes, que só por darem çenteyo,
e algum trigo galego.
O paroco desta freguezia, he cura.
He aprezentado pelo Exelentissimo Senhor Arcebispo de Evora.
Tem de renda, quatro moyos, e meyo de trigo, e vinte, e
oito alqueyres de sevada, e mais, huns annos por outros, rende
sinco, ou seis moedas de ouro. Não tem benefiçiados,
nen convento algum, nem hospital, nem Caza de Mizericordia.
Tem no termo de Villa Viçoza a ermida
de S. Pedro, e contigua a ella; a capella da Senhora
2 Correcção efectuada pelo paroco.
das Merçes: a de S. Pedro he da jurisdição do paroco;
e a da Senhora das Merçes, he da jurisdição do prior da Senhora
da Conceyção de Villa Viçoza; por huma antigua posse
em que se introduzio; por negligençia do paroco que
era nese tempo: todos os Domingos de Setembro
tem festa, romágens a Senhora das Merçes; e passado ese
tem [sic]3 não tem mais festas; mas sim algumas romagens
dos seus devotos. Esta ermida, e capellas estão
sitas na herdade de El Rey, que he do Ducado de Bargança
[sic], meya legoa distante de Villa Viçoza.
Nesta freguezia as terras dão
trigo, e çenteyo; mas mais trigo: são pouco ferteis de
sevada: dão de todo o genero de legumes, e sendo annos
de abundançia de agoas, tambem se colhem nella
bastantes feijões brancos, e fradinhos.
Nesta freguezia sómente há
dous juizes da ventana: hum no distrito de Estremos, e
outro no distrito de Villa Viçosa. Não he couto, nem
cabeça de conselho, honra, ou behetria.
Desta freguezia floreçeo o
capitão emgenheyro Manoel Lopes da Sylva, que ainda
que filho de pais humildes, foi muito grande nas armas,
engenho, e prendas, na guerra proxima passada; e por tal
muito bem conheçido, e estimado dos mayores ofiçiaes da
mesma miliçia; o qual há poucos annos faleçeo nesta
freguezia; estando reformado, com soldo inteiro de capitão
/p. 731/
Nesta freguezia não há feyra
nem tem correyo, e do correyo de Villa Viçoza que chega
na quinta feyra, he do que se serve.
Da çidade de Evora capital
deste arçebispado, dista sete legoas; e da capital do
3 Deverá entender-se “tempo”.
reyno, dista vinte, e duas, ou vinte, e tres legoas. Não
tem privilégios, nem antiguidades dignas de memoria.
Tem esta freguezia no termo
de Villa Viçoza, proxima a estrada que vay de Estremos
para o Alandroal; huma lagoa, ou nascente
de abundante agoa, com a qual moem dezanove
asenhas de emgenhos reaes. Tambem tem suas fontes
muito boas de excelente agoa de beber; mas não
dignas de exageração. Não he esta freguezia porto do
mar, nem terra murada; mas sim huma freguezia de campo.
Na ocazião do terremoto
do anno de 1755 alguma ruina padeçeu: porem
foi couza de pouca consideração, e que tudo esta remediado
ao prezente.
Não conthem esta freguezia
em si mais serra, que huns montes das abbas
da Serra de Ossa, e hum monte bastantemente alto
e aspero, chamado a Serra da Vigaria, a onde dizem
esteve [sic]4 o Caraçenna, general de Castella, na ocazião
da batalha de Montes Claros, que foi no
pláno, e raiz do dito monte.
Proximo ao dito monte
há admiraveis minas de marmores brancos, e azûes,
matizados de branco, sitos na herdade da Vigaria,
e do Barrinho, que são da caza do morgado
de Pixinhos, ou por outro nome dos Zuçenas: o dito
monte he inculto. Nele não há mais, que pedras,
e carrascos, e de sua qualidade he muito frio; e si
cria alguns coelhos, e perdizes. Deste monte e Serra
da Vigaria, não nasce rio algum; mas na raiz
delle, para a parte do nascente, tem hum poso
de boa agoa, e bastante.
Por esta freguezia, perto das a-
4 É possivel que falte a palavra “que“ entre “dizem” e “esteve”.
bbas dos montes da Serra de Ossa, cá para a parte do
nascente do Sol; passa a ribeyra de Busafesse, que
tem seu principio na freguezia de S. Tiago de Ryo de
Moynhos, e vay meterse na Guadianna, na herdade
do Aguilhão, a onde este Reyno confinna com Castella;
mas esta rebeyra custuma secarse, e deixar de correr,
em vindo o tempo do Verão; por conta de lhe terarem
as agoas, para regarem feijoaes na dita freguezia
de S. Tiago de Ryo de Moynhos: esta ribeyra
se compoem das agoas que sahem dos montes da
Serra de Ossa, das agoas dos nascentes da freguezia de
S. Tiago, e dos nascentes desta freguezia: corre de
Norte a Sul: cria boas pardelhas, e singulares bordallos,
e tambem algumas bogas: as suas margens
se cultivão, e dão muito trigo, e sevada: em toda
a parte conserva o mesmo nome.
Nesta ribeyra há muitos moynhos
de fazer farinha no tempo do inverno, e tambem
tem hum lagar de azeite, e huma ponte de cantaria
junto á villa de Terena: nunca ouvi
dizer, que de suas areas se tirasse ouro, ou prata.
Nunca ouvi dizer que deixassem de ser livres
as suas agoas, e pescarias.
Esta he a noticçia que posso
dar desta freguezia de Santa Anna, a respeito dos jnterrogatorios
que me forão entregues, por via do muito Reverendo
Vigario da vara da villa de Estremos; e em pude
verdade me a signei. Santa Anna de Bencatel.
11 5 de Abril de 1758.
Paroco o padre João Toscáno da Pálma.
Francisco Segurado
5 Sublilhado da época.

S. Bartolomeu, Vila Viçosa
VILA VIÇOSA, 1758, 20 de Abril.
Memória Paroquial da freguesia de S. Bartolomeu, concelho de Vila Viçosa, distrito de
Évora.
(ANTT, Memórias Paroquiais, volume 40, nº 271a, pp. 1665 – 1668).
/p. 1665/
VillaViçoza S.Bartolomeu
Obedecendo á ordem de Vossa Excelencia em que
me manda responder a huns interrodatorios
que com a mexma me forão entregues, digo que
esta Villa Viçosa hé huma das mais illustres
povoaçoens do Alem Tejo: nela residião os serenissimos
Duques de Bragança athé que com a aclamaçam
do senhor D. João 4 transferirão o seu assento para
a corte de Lixboa. Abunda de couzas muito
notáveis; mas como estas são do territorio
da jgreja matriz, ao reverendo prior della pertense
refferi-laz, descrevê-laz; pois eu cingindo-
me percissamente á minha freguesia, digo que
Tem esta freguesia de S. Bartolomeu
563 fogos, e 2073 freguezez, os quais são
curados por hum prior, que tem de congrua
tres moyos de trigo, dous de sevada, e vinte mil
reis em dinheiro, e dous beneficiados tem cada
hum de renda dous moyos de trigo, moyo,
e meyo de sevada, e dez mil reis. Tanto prior
como beneficiados são da appresentação de Sua
Magestade como governador e perpetuo administrador
da Ordem Militar de S. Bento de Aviz,
a cuja Ordem pertencem as jgrejas parochiaiz,
e comenda desta villa.
Não tem a freguesia jgreja
proprias [sic] e se está servindo há muitos annos
da jgreja da Misericordia sem que Sua Magestade
por mais contas, que desta falta lhe tem dado
os priorez da mesma tenha sido servido mandar
continuar à jgreja propria, que há muitos anos
se conserva só com os alicersez. Estão sitas
nesta jgreja paroquial tres jrmandades:
primeira do Santissimo Sacramento que alem das obrigações
gerais à similhantes jrmandades cuida do ornato do
altar, e culto de huma jmagem do senhor morto vulgarmente
chamada o senhor do descendimento; com o qual tem
/p.1666/
este povo huma extraordinaria fé, e devoção:
segunda das almas, que florece muito pella grande piedade,
e applicação dos jrmãos, que administrão os seos
bens conservando outo cappellaenz com missa
quotidiana e tendo a sua sachristia muito bem
provida de pratas e ornamentoz: terceira da Senhora
do Rosario; que não tem couza, que mereça particular
memoria.
A caza da Misericorda
hé das mais antigas deste Reino, e se entende
a erigirão os serenissimos Duques de Bragança,
que servião de provedores, emquanto residirão
nesta Villa e ainda hoje os provedores, e escrivãez
não são feitos por votos da jrmandade, mas ella
propoem tres para cada hum dos dois cargos, e Sua
Magestade escolhe qual lhe parece, particularidade
que não consta tenha outra algũa Misericordia.
Tem de renda 444.667 reis; e assim
hé a mais pobre de todas as circumvisinhas.
Nesta caza erigio a piedade dos serenissimos
Duques de Bragança hum hospital para
curar o mal venereo nas duas estaçoenz de
Primavera e Oitoneo, dotando-o para este effeito
com liberalidade propria de tão grandes princepez;
pois lhe consignándo em cada hum anno 406.070
reis sette moyos e meyo de trigo, e vinte quatro
alquirez de azeite, tudo pago no almoxarifado
desta villa vindo todas estas addicçoenz nas
folhaz, e sendo cobradaz por conhecimento do escrivão
da meza. Porem, depois do terremoto
de 55 nùnca mais vierão lançadas nas
folhas do almoxarifado as ditas addicçoenz com motivo
de se terem queimado no incendio daquelle
fatal dia os tituloz por onde se lançavão, suprimindo-
se por esta falta as curas do dito mal, com
grande perjuiço dos pobres, que morrem faltos de
/p. 1667/
remedio, não havendo em toda esta Provincia
outro algum hospital, em que se fação similhantes
curas.
Há nesta freguesia dois conventos
de religiosos, e dous de freiraz, daquelles hé
hum a caza professa da Companhia de Jesus, cujas
comunidade se compoem de oito sacerdotes, e dois
leigos; e o outro he de S. Paulo, que costuma
ter 22 athé 27 religiosos. De freiras hé
o primeiro o das Chagas do instituto do Patriarcha S.
Francisco que tem numero certo de 60, eo de Santa Cruz,
que proféssa a regra de Santo Agostinho, que não
tem numero certo de religiosas; e ao prezente se compoem
de oitinta, e tantas. Os tres primeiros
conventos tem por padroeyros os serenissimos Duques
de Bragança, e só o de Santa Cruz hé, que
não tem padroeyro algum. Hé o que se me
offerece dizer a Vossa Excelência. VillaViçosa em 20
de Abril de 1758 1 .
[Prior]2 da freguesia de S. Bartolomeo de Vila Viçosa Frei Antonio Xavier do Válle.
Transcrição: Francisco Segurado
Revisão: Fernanda Olival
1 Sublinhado da época.
2 Margem apertada e como tal ilegível no microfilme do ANTT.


http://www.seo.mavi1.org http://www.mavi1.org http://www.siyamiozkan.com.tr http://www.mavideniz1.org http://www.mavideniz.gen.tr http://www.17search17.com http://www.siyamiozkan.com http://www.vergi.gen.tr http://www.prsorgu.org http://www.seoisko.net http://www.seoisko.org http://www.ukashhizmet.com http://www.ukashmavi.com http://www.sirabulucu.net http://www.kanuntr.com http://www.kanuntr.org http://www.kanuntr.net http://www.kananlartr.com http://www.kananlartr.org http://www.kananlartr.net http://www.haberbul.org http://www.iskoseo.com http://www.iskoseo.net http://www.iskoseo.org http://www.siyamiozkan.net